Desgoverno anuncia possibilidade de extinção da EBC

O governo federal confirmou ontem (16/03) a inclusão da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) no Programa Nacional de Desestatização. Apesar de mencionar que serão realizados estudos sobre como a empresa será "privatizada", os representantes do governo afirmaram que caso não haja "ativos" e como "agregar valor" ela pode ser extinta. O governo também sinalizou que deve tomar a decisão sozinho, sem passar pelo Congresso.

O governo federal confirmou ontem (16/03) a inclusão da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) no Programa Nacional de Desestatização. Apesar de mencionar que serão realizados estudos sobre como a empresa será “privatizada”, os representantes do governo afirmaram que caso não haja “ativos” e como “agregar valor” ela pode ser extinta. O governo também sinalizou que deve tomar a decisão sozinho, sem passar pelo Congresso.

Se a intenção de privatização já era algo totalmente reprovável, a ideia de extinção da empresa viola o Artigo 223 da Constituição, que prevê a existência dos sistemas público, privado e estatal. Além disso, terá como consequências a eliminação de uma fonte importante de conteúdos educativos e culturais disponibilizados gratuitamente à população.

Saiba mais na carta divulgada hoje pela “Frente em Defesa da EBC e da Comunicação Pública” sobre porque a EBC não deve ser privatizada, muito menos extinta.

CARTA À SOCIEDADE: por que a EBC não deve ser privatizada

O Ministério das Comunicações anunciou recentemente o envio da Empresa Brasil de Comunicação ao Programa Nacional de Desestatização (PND). A decisão parece ser uma resposta a setores da imprensa ligados ao sistema financeiro, reproduzindo a lógica de dependência dos “mercados” da própria comunicação privada. Embora o movimento ainda envolva estudos sobre possíveis formas de privatização da empresa, foi um passo perigoso rumo à destruição da estatal. Neste sentido, trabalhadores que atuam nos setores da companhia vêm dialogar com a sociedade sobre sua natureza e importância.

Desde o seu nascimento, em 2007, a TV Brasil e a EBC são alvos de intensas campanhas negativas e, mais recentemente, pela sua privatização. Os argumentos vão desde um suposto déficit que a empresa daria ao governo até o valor gasto com salários e baixa audiência de seus veículos. Os trabalhadores vêm aqui trazer alguns esclarecimentos que esperamos sejam incluídos nas matérias, em geral com somente um lado.

A EBC foi criada a partir do que manda a Constituição Federal. O Artigo 223 da Carta Magna prevê a complementaridade dos sistemas público, privado e estatal. A Lei que criou a estatal (11.652, de 2008) regulamenta esta diretriz, criando a empresa. Assim, a EBC não foi um feito de um governo, mas a materialização tardia do que a Constituição já determinava desde sua promulgação, no fim dos anos 1980.

A comunicação pública não é uma invenção brasileira, mas, ao contrário, é realidade na grande maioria dos países do mundo. Enquanto alguns segmentos buscam atacar a existência deste serviço, outros países com democracias consolidadas (até mesmo de caráter bastante liberal) entendem e estimulam o papel da comunicação pública para atender ao direito à informação dos cidadãos, investir em conteúdos sem apelo comercial e pautar temas de interesse público. É o caso da BBC no Reino Unido, da RTP em Portugal, da NHK no Japão ou da PBS nos Estados Unidos.

A EBC não dá “prejuízo” ou “déficit”. Ela é uma empresa pública dependente, e não autossuficiente como Correios ou Banco do Brasil. Embora ela consiga arrecadar recursos com patrocínios e prestação de serviços, suas fontes de financiamento não servem e nunca servirão para torná-la autônoma, já que ela não deve se tornar refém do próprio mercado para garantir ainda mais sua autonomia. Assim como ministérios e universidades não dão “prejuízo”, a EBC (assim como outras estatais dependentes, como Embrapa) também não dá.

Este modelo de negócio não é inovação da EBC, ele ocorre no mundo inteiro. Só conseguem autonomia financeira empresas custeadas a partir de impostos, como a BBC do Reino Unido ou a RAI na Itália. Não é o caso do Brasil. Ao contrário, a EBC tem uma fonte de receita própria complementar (a Contribuição para o Fomento à Radiodifusão Pública), que, do total arrecadado, só foi reservado R$ 2,8 bilhões em todos os anos de contribuição à EBC, mesmo que quase nada tenha sido repassado à empresa (tanto por uma contenda judicial quanto por falta de vontadepolítica dos governos) (https://sistemas.anatel.gov.br/…/94048e5652b2272e693e4c…).

Matérias na imprensa reproduzem o argumento do governo, afirmando que o orçamento de R$ 550 milhões por ano é “muito”. E ressaltam sempre valores gastos com salários. Não se mantém uma empresa que tem duas TVs, oito rádios, duas agências nacionais, produz conteúdo e presta serviços ao governo federal sem recursos. Tampouco se faz comunicação sem pessoas – que devem ser contratadas conforme prevê a legislação, e não fraudando a lei com contratações por pessoa jurídica (PJ). É o que a maioria das empresas de radiodifusão o fazem, como Band, Globo e SBT, o que levou a multas milionárias da Receita Federal e problemas graves na Justiça trabalhista. É de se esperar, naturalmente, que as empresas públicas cumpram, minimamente, a lei.

Colunistas e o próprio governo reclamam do “desempenho” da EBC e falam em melhoria e “otimização” por conta da audiência. Os veículos da EBC não foram criados para disputar audiência, embora devam buscar sempre esse alcance. A TV Brasil já chegou a ser a 7ª emissora nacional e é a única aberta com programação infantil de fato. Poderia ter avançado em marcas mais efetivas, mas a falta de investimento e prioridade política dificultaram o ganho de visibilidade da empresa.

Mesmo com a falta de apoio e desmonte recente, a Agência Brasil produz conteúdos gratuitos que abastecem milhares de grandes e pequenos veículos de comunicação. A Radioagência Nacional faz o mesmo com estações de rádio. A Rádio Nacional da Amazônia serve centenas de milhares de ouvintes nos rincões do país. Além disso, a empresa tem caráter educativo, com difusão de programas e reportagens para contribuir com a formação dos cidadãos.

O questionamento da privatização da EBC vai muito além de seus empregos – embora essa preocupação seja legítima, uma vez que estamos falando de famílias que são sustentadas por esses empregos em um país com mais de 14 milhões de desempregados. Mesmo assim, é necessário restabelecer informações diante de uma campanha de ataque e que esconde a relevância social da empresa. Se é fato que o governo atual vem aparelhando editorialmente e desmontando muitos programas e serviços, a saída não pode ser extinguir ou privatizar, mas sim corrigir os erros e dar a devida estrutura para que a empresa possa, de fato, cumprir sua missão constitucional de fazer comunicação pública.

VÍDEO: Por que a EBC não deve ser privatizada:

Foto antes da pandemia

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Privatização da Eletrobrás causará 25% de aumento na energia

O governo Bolsonaro conseguiu aprovar no na Câmara e no Senado a Medida Provisória 1031/2021, que autoriza a privatização da Eletrobrás e suas empresas subsidiárias.Com isso, muito em breve, a conta de luz de todos os brasileiros sofrerá novos e grandes aumentos.

Privatização: aumento de 20% na conta de luz

Privatização Eletrobras deve provocar aumento de 20% na tarifa de luz para a população

O Projeto de Lei 5877/19, do Poder Executivo, que viabiliza a privatização da Eletrobras, estatal responsável por 1/3 da produção de energia elétrica do País, está previsto para ser votado nesta quarta, 19 de maio. Se aprovado, o PL deve significar um aumento de tarifa de cerca de 20% nas contas de luz das residências. A estimativa é feita pela Plataforma Operária e Camponesa para Água e Energia e pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) com base em dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

Privatização dos bancos públicos prejudica os pobres

Na área habitacional, por exemplo, a Caixa é responsável por mais de 90% dos financiamentos para a população que ganha até R$ 1.800. Mas o governo cortou 98% dos recursos que eram destinados a este público, que atendia à Faixa 1 do antigo Minha Casa Minha Vida. De R$ 1,540 bilhão previsto para 2021, o valor a ser repassado será de somente R$ 27 milhões – R$ 1,513 bilhão a menos. “É o fim do sonho da casa própria para quem ganha até R$ 1.800”, disse Takemoto.

Desgoverno vai vender ações da Caixa Seguridade

Em artigo, o presidente da Fenae e a presidente da Contraf-CUT, Sergio Takemoto e Juvandia Moreira, respectivamente, apontam os prejuízos que a privatização da subsidiária trará ao banco público e ao Brasil

Tarifaço do Bolsonaro na conta de luz

A privatização da Eletrobras significa aumento nas contas de luz, desemprego e apagões.
O Governo Bolsonaro encaminhou ao Congresso Nacional a Medida Provisória (MP) nº 1.031, que pretende privatizar o Sistema Eletrobras. Atualmente cerca de 60% das ações pertencem à União.
Com isso, a privatização da Eletrobras significa um ataque e um crime financeiro dos mais cruéis contra o povo, trata-se da perda completa da soberania nacional sobre o setor elétrico brasileiro e que terá como consequência o imediato aumento em mais de 16,7% nas contas de luz das residências, penalizando ainda mais o povo brasileiro neste momento de crise sanitária e econômica.