Dos encantados de beca e a justiça de cocar

Fiquei pensando ontem quando ouvia advogados indígenas, na defesa de tantos povos, na arquitetura ideal das bandeiras, onde não há aritmética precisa para o vasto desenho de sonhos e imprecisão dos desejos.  Apenas cabe à flâmula das vontades, mundo futuro que envolve, a multidão que avança, os direitos de uma gente que canta e dança por um país melhor. 

Eloy Terena, Samara Pataxó, Ivo Macuxi e Cristiane Soares Baré fizeram a sustentação oral contra o Marco Temporal.

Eu, você, eles. Os bichos, os rios, o mato todo, tudo tem que avançar junto com seu povo na bandeira que agita ou abriga.

As escolas, os laboratórios, as ambulâncias e os bombeiros. A jabuticaba, a goiaba, os sanhaços, os jabutis, tudo é o povo, ninguém larga da mão de ninguém, fica determinado no supremo tribunal de nós mesmos. É estimulante ver debate tão rico envolto em plumas nos ombros, mesmo que tratores, tão fortes, derrubem o mato, revirem a terra plena, insistam na desrazão.  

Não cala, não se intimidam jovens juristas. Há uma floresta que não queima dentro da alma, daqueles que, entre os encantados, persistem, desvelam.

*imagens por Leonardo Milano.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Os últimos homens do mundo

 Houve um dia em que conheci os últimos homens de um povo, Baita e Tamandua Piripkura. Tão instigado fiquei, eu diverso, eles únicos e últimos,

Piripkura, os últimos “Borboleta”

por Adelino Mendez* De 1970, até hoje, o que foi destruído na Amazônia já não seria o suficiente para ter “melhorado” a vida da população?

>