Donde vem? onde vai? Das naus errantes

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

São montanhas de roupas velhas, tão velhas. São ferros retorcidos, entulho. Vapores me fazem pensar no Ararate, o monte entre ocidente e oriente. Centenas de pessoas entre roupas coloridas parecem esperar, eufóricas, a arca diante do caos; alguns talvez se salvem.

Quem é que ocupa essa praça, quem está entre as lajes do patrimônio da União? Penso em Castro Alves, seu navio negreiro cortando o mar. Me culpo tanto em ambiente sem poesia, mas a poesia insiste entre os subterrâneos. Entendo escandalizado, ser Brasil é ser resiliente.

Há um clima de arena, o espetáculo da miséria e caridade. Tantas roupas, tantas roupas para vestir o homem que quer casa. Quer casa, comida, trabalho, educação, respeito.

Tantos sacos de roupas se acumulam na praça. A praça é do povo, ah, a praça é nossa ressoa uma voz no largo. Tantos prédios cercam os homens, seus desconsolos. A avenida São João e a platéia de miseráveis, as igrejas, os bombeiros, os repórteres, o povo.

No monte de entulhos vejo a solidão pasma do bombeiro, tão só entre ferros, a fumaça tão branca, tão cinza a terra a cuspir vapores, coisa vulcânica e de infernos.

Sozinho o bombeiro olha meu pensamento se entortar em contas, tal o ferro bruto: quantos milhões  serão gastos na limpeza do terreno, na logística para os despossuídos, na restauração da ordem urbana, quantos milhões serão? E continuarão todos sem casa, pois o Estado é burro.

Para que tantas roupas, pergunta minha alma. Por que tantos prédios,  tantas janelas, tantas bocas?

A praça. A praça é do povo. Para o povo a praça, a calçada, a guia, as barracas coloridas, o navio negreiro.

*imagens por Helio Carlos Mello

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>