Diário do bolso: sonho com o novo Brazil

Começou que não veio vacina nenhuma pro Brasil. Aí, todos os esquerdovacinistas pediram asilo na Argentina. E os mariquinhamascaristas se mudaram para Portugal. Só sobramos nós, os bolsocloroquinos. Morreu uma montanha de velhos, gordos e pobres. Mas tudo bem. Esses comorbidosos atravancavam o progresso do Brasil.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por José Roberto Torero*  Diário, feliz aniversário!Hoje faz dois anos que eu escrevo em você. Acho que isso me inspirou, sabe? Tanto que essa noite eu tive um sonho sensacional!

Começou que não veio vacina nenhuma pro Brasil. Aí, todos os esquerdovacinistas pediram asilo na Argentina. E os mariquinhamascaristas se mudaram para Portugal. Só sobramos nós, os bolsocloroquinos.

Morreu uma montanha de velhos, gordos e pobres. Mas tudo bem. Esses comorbidosos atravancavam o progresso do Brasil.

Com a morte dos pançudos, a gente teve um superávit agrícola gigante. A exportação disparou!

Sem os velhos, sobrou dinheiro na Previdência. O Guedes até tomou um porre de Black Label para comemorar.

E, com menos pobres, as ruas ficaram bem mais espaçosas.

Ah, a covid também acabou com os índios. As reservas ficaram livres pro garimpo, pra soja e pro gado. Só no carnaval é que dava pra ver gente vestindo pena. Aliás, o Ministério do Carnaval foi criado pro Carluxo. Ele trabalhava todo dia com uma fantasia de pavão.

Os índices de desmatamento despencaram e eu ganhei o prêmio Ecologista do Ano. Na verdade, os números baixaram porque o Exército tinha comprado um novo satélite por R$ 175 milhões, e ele não via diferença entre grama e árvore, então dizia que era tudo floresta. Ops, essa parte do sonho era real. Estamos mesmo comprando esse treco.

Já que o assunto é mato, o Ricardo Salles transformou o IBAMA em IBRAHMA. Assim as unidades de controle ambiental viraram bares pros madeireiros tomarem uma cerveja depois de passarem o dia todo cortando lenha. Eles merecem um refresco, pô!

No sonho, uma coisa que eu gostei foi que todos os meninos passaram a usar azul e as meninas, rosa. Nossa bandeira jamais terá um arco-íris! Colocamos todos os gays em navios e mandamos para São Francisco. Os que quiseram ficar tiveram que fazer um curso de desgayzação com o pastor R.R.Soares, que há mais de trinta anos já faz esse trabalho.

A Globo foi fechada e a Record passou a ser a maior emissora do Brasil. Lá, toda quinta-feira, passa a minha live ao vivo, no horário nobre. O Gérson, ministro do Turismo, toca sanfona e é um sucesso. O Roger, do Ultraje a Rigor, de vez em quando faz umas pontas com a guitarra.

Mas não esqueci o SBT. Aos domingos, eu substituo o Silvio Santos lá. Usando aquele microfonão e tudo! Eu grito “Quem quer dinheiro?” e jogo os aviõezinhos no Centrão da plateia.

Na Rede TV!,o Dudu tem um realitixou sobre armas. No programa, ele mostra pistolas e rifles, e depois pratica tiro ao alvo em atores pornôs (por que será que ele odeia atores pornôs?) e em traidores, tipo a Joice Hasselman, o Lobão e o Frota.

Eu passei a ser técnico da seleção brasileira de futebol e só deixava jogar quem gostava de mim. O Neymar era o camisa 10. Pra completar o meio de campo, chamei o Marcelinho Carioca e o Ronaldinho Gaúcho. O time não marcava ninguém, mas as festas na concentração eram ótimas.

Aliás, a concentração passou a ser feita em Las Vegas dos Reis, o novo nome de Angra, onde passou a ter uns cassinos flutuantes e todo mundo podia jogar e pescar ao mesmo tempo.

Outra coisa boa é que a rachadinha deixou de ser crime. Todo político passou a ter direito de empregar um monte de funcionários fantasmas e pegar o salário deles.

Falando nisso, o Queiroz virou diretor da Casa da Moeda. Mas mudou o nome dela para Casa da Nota, porque disse que encher aqueles envelopes com moedas é muito difícil. Aliás, ele criou a cédula de dez mil reais. O Chico Cueca, digo, o Chico Rodrigues agradeceu de coração.

A milícia foi legalizada. E a estátua do Adriano que a gente colocou no lugar da do Cristo Redentor ficou demais! A metralhadora era feita todinha em nióbio! E, na passagem de ano, ela soltava uns fogos de artifício lindos de morrer.

O Olavo de Carvalho assumiu o ministério da Educação. Logo de cara mandou trocar todos os livros de geografia, que passaram a mostrar que a Terra é plana. E as crianças adoraram as novas cartilhas inventadas por ele (com o método “Pau no Freire”). Mas, também, quem não ia gostar de aprender a ler usando só palavrão?

No final do sonho todo mundo formou um coral (com o Gérson acompanhando na sanfona e o Roger na guitarra) e cantou uma música em minha homenagem. O finzinho da letra era assim:

“Já morreram uns duzentos mil

filhos da nossa mãe gentil.

Mas isso não é problema,

‘E daí?’ é o seu lema

pra salvar o nosso Brasil.”

Ah, Diário, esse foi o meu sonho… Ops! Foi, não. É!

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

A ilustração é de Ivo Minkovicius

PPS: A música existe mesmo. Um dia desses coloco ela aqui.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do bolso: Aras o grande defensor do desgoverno

No meio daquele bafafá todo sobre impichimem, ele divulgou uma nota dizendo que não é dever dele avaliar ilícitos atribuídos a mim. Isso foi show! É como um zagueiro dizer que o trabalho dele não é defender. Ou seja, eu posso pisar no pescoço de quem eu quiser, que o Aras não vai fazer nada. No máximo, vai lustrar o meu sapato. Ou bota.

Pra ele, me processar é responsabilidade do Legislativo. É como se o zagueiro dissesse: “O culpado pelo gol foi o centroavante que perdeu a bola lá na frente, não eu, que tomei a bola por baixo das pernas”.

Mas o Aras não parou por aí. Não mesmo! Ele ainda insinuou que posso decretar o “estado de defesa”, para preservar a “estabilidade institucional”. Ou seja, falou que eu tenho direito de dar um golpe de estado.

>