Diário do bolso: presentes e vacina pra ninguém

Diário, nesse Natal eu não fui mão-de-vaca. Comprei presente pra todo mundo! Comigo é assim! Presente pra toda família! Vacina pra ninguém!

Por José Roberto Torero* Diário, nesse Natal eu não fui mão-de-vaca. Comprei presente pra todo mundo!

Pro Dudu foi uma pistola. De cano curto, claro. Já pro Carluxoescolhi uma de cano longo. Com cabo de madrepérola e incrustação de rubis.

Pro Ricardo Salles, um isqueiro.

Pro Weintraub eu ia dar um dicionário. Mas acabei comprando um livro de receitas árabes, porque ele adora “cafta” e outros “acepipes”.

Pra Micheque, um chelle, digo, pra Michelle, um cheque.

Pro Flavinho encomendei mais um relatório da Abin do B (B de Bolsonaro, kkk!).

Falando nisso, oRamagem já ganhou um cargode presente este ano. Mas o cara está se esforçando tanto que merece um mimo a mais. Talvez uma encobertada do Aras.

Falando em Aras, acho que pra ele vou dar uma foto minha com moldura, daquelas de pôr na mesa de trabalho. Se bem que acho que ele já tem uma.

Pro Sérgio Camargo, o presidente da Fundação Palmares, vou dar uma peruca blackpower, só pra ver a cara dele. É que o Sérgio é careca e esses dias fez piadas com negros que tem cabelo grande e reclamam que não existemfones de ouvido pra quem tem cabelo assim.

PraDamares, uma calcinha bege. Ela não disse que a abstinência é o único contraceptivo 100% eficaz? Então, pra garantir abstinência, nada melhor que uma calcinha bege, kkk!

ProPazuello vou dar um estetoscópio, só de zoeira.

Pros deputados do Centrão, o de sempre: emendas parlamentares.

Pro Guedes vai ser um calendário. Mas, como ele sempre diz que o ano que vem é que vai ser bom, já comprei um de 2022.

Pro Osmar Terra vou mandar uma calculadora, porque ele erra muito nas contas. Disse que iam morrer só umas duas mil pessoas de covid no Brasil. E deve ter sido o dobro.

E, pro Queiroz vou mandar um pacote de Sempre Livre. Ele vai entender a mensagem.

Caprichei ou não caprichei, Diário?

Comigo é assim! Presente pra toda família! Vacina pra ninguém!

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.