Diário do bolso: o jabuti

Diário, meu Diarinho, chuif, chuif..., você não ganhou o Jabuti
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Por José Roberto Torero*, Diário, meu Diarinho, chuif, chuif…, você não ganhou o Jabuti

Quem venceu na categoria crônica foi uma tal de Nélida Pinheiro, ou Nélida Pinhão, uma coisa assim. Nunca ouvi falar. Parece que foi presidente de uma tal de Academia Brasileira de Letras. Que pemba de academia é essa? É para escritor fazer ginástica?

Mas o pior, querido e derrotado Diário, é que quem ganhou o prêmio

jabuti de “Livro do Ano” foi um de poesia. Pô, poesia é coisa de criança. Quer ver eu fazer uma agora?

“Rachadinha quando nasce,

a gente esconde no colchão,

Flavinho só paga em dinheiro,

e nunca com cartão”.

Pronto, fiz uma poesinha. Não gastei nem cinco minutos. Me dá um troféu aí.

O pior do pior é que a escritora, uma tal de Cida Pedrosa, é mulher e é do Nordeste. Pô, aí já é demais! É muita humilhação. Eu nem sabia que o pessoal de lá já tavaalfabetizado.

E o pior do pior do pior é que a tal de Cida acabou de se eleger vereadora em Recife pelo PCdoB! Pô, uma comunista! Só faltava essa! Por isso que eu não gosto de livro. Tem algum negócio neles, alguma droga que eles põem no papel, que transforma todo mundo que lê em esquerdopata.

Não é à toa eu só leio zap-zap no celular.

Por hoje é só, Diário. Desculpe se molhei suas páginas com as minhas lágrimas, por causa do jabuti

Chuif, chuif…

*José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do bolso: o jacaré e dez desabafos

Essa história de jacaré provocou a maior gozação nas redes sociais. Todo mundo tirou sarro de mim. Mas pode acontecer, pô! E, se o meu gado virar jacaré, como é que eu vou chamar ele? Jacagado?

Diário do bolso: É uma mamata do bem

Descobriram que uma empresa de vídeo (que já ganhou mais de um milhão no meu governo) fez a cobertura da festa da empresa do Renanzinho de graça. E que o freguês da empresa do Renanzinho é o governo federal. Mas e daí? É uma mamata do bem, pô!

Diário do bolso: fundei o “edaísmo”. E daí?

Diário, fundei o “edaísmo”. É uma mistura de filosofia, religião, teoria econômica, política de governo e comportamento social.

Ele consiste em não ligar para as coisas ruins. Só para as boas.

>