Diário do Bolso: forrobodó com o Ricardo Salles

A Polícia Federal do Amazonas, dirigida por um tal de Alexandre Saraiva, fez a maior apreensão de madeira ilegal da história: 43.700 toras. Mas aí teve o contra-ataque dos madeireiros: eles chamaram o Salles, que foi até lá, viu os documentos de duas toras (só faltaramosdas outras 43.698, kkk!) e disse que não tinha nada ilegal.

Por José Roberto Torero* Pô, Diário, deu a maior forrobodó com o Ricardo Salles!

E o chato é que eu adoro o garoto. Até invento uns apelidos bacanas pra ele, tipo “”Rei do Gado”, “Tocha-Humana, “Cupim” e “Pica-Pau”.

O treco foi o seguinte:

A Polícia Federal do Amazonas, dirigida por um tal de Alexandre Saraiva, fez a maior apreensão de madeira ilegal da história: 43.700 toras.

Mas aí teve o contra-ataque dos madeireiros: eles chamaram o Salles, que foi até lá, viu os documentos de duas toras (só faltaramosdas outras 43.698, kkk!) e disse que não tinha nada ilegal.

Era só o Saraiva entregar o jogo e devolver a madeira. Mas, em vez disso, ele fez um contra-contra-ataque: respondeu que tinha dez laudos provando a ilegalidade da coisa, que era como se “um carro fosse parado na estradae o motorista mostrasse o documento de um Fusca, quando estava dirigindo um Chevette”.

Pô, o Saraivaarmou a maior barraca e chutou o pau do barraco. Ou será que o certo é dizer armou o maior barraco e chutou o pau da barraca? Ah, sei lá!

O que eu sei é que o Ricardo Salles armou um contra-contra-contra-ataque: fez o novo diretor-geral da Polícia Federal, o Paulo Maiurino, tiraro Alexandre Saraiva da chefia da PF no Amazonas.

Parecia que o jogo tinha acabado, mas então teve um contra-contra-contra-contra-ataque. É que o doido do Alexandre Saraiva encaminhou pro STF uma notícia-crime, pedindo investigação da conduta do “Rei do Gado”.

Um procurador do Ministério Público se animou e pediu o afastamento cautelar do “Tocha-Humana”, dizendo que ele se comportou como advogado da madeireira eainda evitou a cobrança de vinte multas ambientais, dando mais R$ 8,3 milhões de prejuízo pro governo. 

Pra completar, o Randolfe Rodrigues, o mesmo da CPI da covid(ah, se eu pego esse cara num beco…) quer que o “Cupim”vá ao senado explicar tudo.

Pô, Diário, o “Pica-Pau” fez tudo o que eu queria: acabou com as multas ambientais,botou os funcionários mais empenhados pra cuidar do almoxarifado, acabou com o papinho com as ongs, está liberando soja,garimpo e o escambau. Como é que eu vou demitir um cara que fez exatamente o que eu mandei?

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

O ministro do desmatamento

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: “se gritar ‘pega Centrão’, não fica um”

O general Augusto Heleno, que cantou “Se gritar ‘pega Centrão’, não fica um, meu irmão…”, agora diz que o Centrão nem existe. Acho que ele vai trocar a letra dessa música pra alguma coisa assim: “Se gritar ‘pega Centrão’, o governo inteiro levanta a mão…”

Diário do Bolso: entupido e não cheirando bem

Os canhotos riem, mas esse meu entupimento veio bem a calhar. Como estou com cagaço de enfrentar essa CPI da covid, aproveitei o meu estado descocomentoso pra me fazer de vítima. Aquela foto de mim cheio de tubo já foi isso. Porque o meu marquetim é esse: quando não tô matando, tô morrendo.

Diário do Bolso: a esquerdalha ri do meu soluço, hic

Teve um sujeito que, hic, disse que o Lira tinha que botar o, hic, pedido de impitimem em pauta, que aí o susto, hic, ia me curar. E outro respondeu que melhor ainda seriadizer que, hic, tinham recuperado as, hic, mensagens do celular do Dominghetti.