Diário do Bolso: batendo recorde atrás de recorde

Enfim, Diário, com um loquidaum nacional, a gente parava essa mortaiada maluca. Mas, como não posso assumir que errei, a crise vai ser bem mais longa do que podia ser. E vão morrer mais uns sei lá quantos mil.

Por José Roberto Torero*  Quatro mil e duzentas mortes, Diário! Tamo batendo recorde atrás de recorde.

E agora? O que que eu faço?

Eu sei que o certo era decretar um loquidaum de três semanas, incentivar uso de máscara e o escambau.

Mas não tenho saída. Vou continuar a dizer o que eu dizia e a fazer o que eu fazia. Senão, o pessoal vai falar: “Ah, você estava errado desde o começo! Então você é mesmo responsável pelas mortes!”

Tenho que insistir no erro pra não parecer que errei.

Eu sei que fiz bobagem. Tem que ser muito Osmar Terra pra não perceber a burrada. É só olhar os números. Mas, admitir, eu não posso.

Em vez disso, vou é fazer o seguinte:

1-) Continuar sendo um antiloquidaum radical;

2-) Falar sempre a favor da cloroquina (por isso que eu vou pra Chapecó, porque o prefeito deles diz que acredita em tratamento precoce, apesar de que o treco só melhorou lá com o loquidaum de duas semanas);

3-) Tenho que dizer que essas mortes todas não são de covid. Meus filhos e meus acepipes já estão dizendo na internet que o cara pode morrer de câncer, avecê ou decapitado, que os medicomunistas botam “covid” no atestado de óbito. Não é verdade, mas e daí?

4-) Tenho que dizer que alguma vacina é minha. Me animei com essa Sputinik aí. Até falei com o Putin. Esse negócio tem que ser meu. Não pode ser do Lula nem dos governadores do Nordeste, mesmo que eles tenham pensado nisso antes.

5-) Vou continuar falando que as igrejas têm que ficar abertas. Mesmo que tenha um monte de gente morrendo. No Mato Grosso, por exemplo, 17 pastores da Assembleia de Deus já morreram, imagina quantos fiéis! Mas fazer o quê? Pra igreja ganhar o dízimo ela tem que dizimar, pô.

6-) Vou continuar botando a culpa nos governadores (“Eu repassei o dinheiro, eles que não fizeram nada”).

7-) E ontem inventei um novo argumento: comecei a dizer que quem fica em casa engorda. A gente tem que tentar de tudo, talkei?

Enfim, Diário, com um loquidaum nacional, a gente parava essa mortaiada maluca. Mas, como não posso assumir que errei, a crise vai ser bem mais longa do que podia ser.

E vão morrer mais uns sei lá quantos mil e teremos novos recordes.

É a vida…

José Roberto Torero é autor de livros, como “O Chalaça”, vencedor do Prêmio Jabuti de 1995. Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil. Também foi colunista de Esportes da Folha de S. Paulo entre 1998 e 2012.

#diariodobolso

Novo recorde do despresidente

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Diário do Bolso: o jantar dos ricaços sem mulher

Diário, ontem teve um jantar chique em São Paulo com uns ricaços.
A gente não chamou o veio da Havan, que aquele terno verde ia estragar a foto. E também não convidamos nenhuma mulher, nem as nove bilionárias brasileiras, senão a gente não podia contar piada suja.

Diário do Bolso: pesquisa mostra Lula na frente

Saiu uma pesquisa daquele banco, o XP (o que será que quer dizer“XP”? Xô, Pobres?), e, no tocante à minha pessoa, os números foram horríveis.
Olha, Diário, eu nem ligo muito pra minha aprovação. O chato mesmo é que a parte eleitoral da pesquisa diz que o Nove Dedos passou na minha frente.
No primeiro turno, eu perco de 29% a 28%. E, no segundo, de 42% a 38%.

Diário do Bolso: levei uma surra do Lula

É que ontem eu levei uma surra do Lula. Daquelas com fio de ferro de passar roupa.
É que eu fui olhar a audiência da minha live no Youtube e só tinha 167 mil views. Pô, o que aconteceu com o meu público? Morreu todo mundo?

Já a conversa do Lula com o Reinaldo Azevedo, que foi no mesmo horário, tava com mais de um milhão e quatrocentos mil views. Eu sou ruim de conta de cabeça, mas acho que isso aí dá mais que o dobro.