Dia 29: “Às ruas, meus amores!”

Muita gente contra Bolsonaro está em dúvida sobre se deve ou não ir às manifestações do dia 29. Aqui vc encontra um manual para quem vai. E pra quem não vai também.
Meme "Nazaré Confusa": Nazaré Tedesco não vai pras ruas no dia 29
Meme "Nazaré Confusa": Nazaré Tedesco não vai pras ruas no dia 29

Por Jô Hallack

Não, este não é mais um texto sobre argumentos.
Um texto  sobre os prós e  os contras de se ir às ruas no próximo dia 29.  Um texto  com análises de conjuntura  e gráficos pandêmicos. Pra  gente pesar tudo na balança, fazer umas contas e terminar dentro de um meme da Nazaré Confusa. 

Então, relaxa.
São duas escolhas absolutamente legítimas. 
Tá todo mundo certo e errado ao mesmo tempo.
Pronto, não tô aqui pra convencer ninguém de nada.  Eu vim aqui falar de outra coisa.

Do desejo.
Do querer gigante. Da vontade absurda de estar na rua com vocês.
Pensar, agir e me mover no coletivo.  

É, eu sei, a gente andou se virando nos últimos tempos: zooms, zaps, lives, lambes. Panelaço, carreata, tuitaço. A gente foi tentando de tudo, porque sabemos que o corona é sinistro. E defendemos, e continuaremos a defender, o inglório distanciamento social.

Tentamos preservar nossos corpos de todos os jeitos.
Até chegar a este dia. Que entendemos que estamos, também, morrendo por dentro.
A gente é da rua.  Gostamos de café ruim de plenária e de ver nossas bandeiras tremulando. De assembleia, de pedir questão de ordem, segurar cartaz e cruzar com o olhar do outro no meio da manifestação. E de lá   — do outro  — encontrar a certeza que vamos resistir a esses canalhas. Não existe coletividade possível se a gente só operar nos espaços privados ordenado por algoritmos.
Eu quero é estar com vocês.

A gente só vai sobreviver a tudo isso na coletividade, mas a coletividade também é um risco. O bagulho é louco. Nazaré Confusa, eu avisei.

E é por isso que é hora de seguir o coração.
Me dá a mão (pode ser o cotovelinho, tudo bem)
E vem comigo. 

Se você for às ruas no dia 29:

  1. Vá se você estiver sentindo segurança, jamais por pressão ou culpa. Se você for grupo de risco ou viver com alguém grupo de risco, não vá.  É uma decisão pessoal. (Se você estiver com sintomas, fique em casa.)
  2. Use uma máscara PFF2. Em várias cidades serão distribuídas PFF2 e quem tiver extra em casa pode levar também para doar e uma para você poder trocar
  3. Leve álcool em gel (e use). Incentive geral
  4. Em várias cidades também haverá arrecadação de alimentos para os mutirões. Procure saber como será na sua.
  5. Mantenha o distanciamento e ajude todo mundo a manter também.
  6. Se precisar tirar a máscara, faça distante das pessoas.
  7. Tente ir leve e com poucas coisas para se preocupar.
  8. Lembre-se que estar na rua é um risco e que os protocolos de segurança precisam ser seguidos. Não relaxe.
  9. Não compartilhe a água.
  10. Ao voltar para casa, faça toda a higienização.
  11. Se monitore dos próximos dias.
  12. Respeite os seus limites.  

E se você não for às ruas no dia 29:

  1. Você acha que não deve ir e tá de boa. São escolhas pessoais. Mas ficar em casa na imobilidade não rola.
  2. Bote uma bandeira na janela.
  3. De quinze em quinze minutos, vá na janela e grite “Fora Bolsonaro”.
  4. Compartilhe e ajude a divulgação nas redes sociais. Muito!
  5. Não gaste tempo criticando e justificando a sua opção nas redes. Em casa ou na rua, tá todo mundo junto.
  6. Faça uma ação descentralizada no seu bairro, sem aglomeração.
  7. Dedique seu sábado a bolar um plano de ação para ajudar a derrubar o Bolsonaro (e bote em em prática! Pode ser arrecadar fundos pra quem passa fome, campanhas de lambe-lambes o que for)

COMENTÁRIOS

  • Excelente abordagem e orientações nesse momento de “Nazaré”. Quero ir ou se não for protestarei de casa. Sou grupo de risco. A nossa coletividade não aguenta mais. Venceremos.

  • Legal. Achei perfeito.Cada um segue o que acha melhor mas sempre com o sentimento e o desejo forte de que este doido caia fora do governo
    #ForaBolsonaro

  • POSTS RELACIONADOS

    Bolsonaro sem máscara no hospital em São Paulo

    Chega de horror! Fora, genocida!

    Um genocida desfila sem máscara e comanda a orgia da Covid em hospital de bacanas, um fascista analfa comanda a Cultura, o jurista Merval Coalhada Pereira impõe verdades de sarjeta ao STF durante anos…

    >