Deputada do governo explica a mudança da aliança de esquerda que conduz Portugal

Deputada portuguesa (PS) Isabel Moreira estampa apoio à Lula ,em sua casa, em Lisboa. Foto Bruno Falci / Jornalistas Livres

Por Isabel Moreira, deputada do Parlamento português pelo Partido Socialista. Especial para o Jornalistas Livres

 

A Geringonça acabou?

Sim e não.

Passo a explicar.

Em 2015 fez-se história. PS, PCP, BE e PEV entenderam-se pela primeira vez. O PS foi Governo com o apoio parlamentar de toda a esquerda e assim deu-se voz à maioria parlamentar que rejeitava a manutenção do Governo de direita.

Em Portugal havia uma espécie de barreira psicológica que impedia a esquerda de se entender, pelo que só a direita gozava desse privilégio. Fez-se história, portanto, ao acabar com um mito empobrecedor da democracia segundo o qual governar é coisa que assiste ao centro e à direita, fatalmente.

Como é sabido, para a Geringonça ser Geringonça foram assinadas posições escritas entre o PS e os seus parceiros à esquerda contendo as matérias do guião que nortearia as chamadas posições comuns ao longo dos quatro que se cumpriram com estabilidade, como é sabido.

 Em outubro de 2019, o PS ganhou a eleições sem maioria. Após conversações com os Partidos à esquerda, não foram assinadas posições conjuntas. Na espuma dos dias ficam as acusações recíprocas. Naturalmente, o PS imputa ao BE a impossibilidade de acordo e o BE imputa ao PS a mesma impossibilidade. Não será difícil de compreender que haverá responsabilidades de todos e que se o PS precisa menos da esquerda para governar, os Partidos à esquerda do PS, em face dos resultados eleitorais, precisam de se distanciar mais do PS do que têm feito.

Posto isto, se a Geringonça como a conhecemos acabou, o facto é que os parceiros preferenciais do PS continuam a ser os de sempre. As políticas deste Governo continuam as políticas da Geringonça, pelo que estranho seria que PCP ou BE, de boa fé, passassem a ser contra as mesmas.

Por isso mesmo, no que toca ao Orçamento de Estado para 2020, a esquerda viabilizou-o na generalidade.

Estou certa de que nesta legislatura teremos de negociar mais e de dialogar sempre, mas também estou certa de que serão os Partidos da  Geringonça  a demonstrarem que há um novo paradigma político em Portugal, no qual o PS é o file da balança da esquerda.

 

Assista a entrevista exclusiva com a deputada Isabel Moreira, para o Jornalistas Livres 

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria