Das ondas, hortas, leitos. Do asfalto, cimento

Conheci entre persistentes calçadas, do trabalho à casa em que moro, caminho, núcleo de arte, espaço curioso entre o sertão urbano da metrópole, onde tudo silenciou em abrupto movimento na arte do sentir, a cultura e seus artistas.

Espaço independente, colaborativo, tal roça de hortaliças, pé de pitanga ou goiabeira que, de repente incide na cidade, o NIÁ, núcleo de intervenções artísticas, coordenado por Renata “Tre”Campos, na Saúde, resiste, semeia e lança, revista Pântano, em formato e conteúdo preciso, acolhendo, buscando o precioso,  uma possibilidade de encontro e troca entre atores e artes.

Pântano, em revista

“PÂNTANO – “No litoral brasileiro, em toda a planície costeira, existem pântanos chamados de mangues. Têm fauna e flora peculiares adaptados à salinidade e ao fluxo das marés, com grande biodiversidade devido à mata atlântica contígua.”

Algo similar acontece dentro do Núcleo de Intervenções Artísticas – NIÁ. 

Nesta edição, Clodoaldo “Mendigo” Gradice faz uma homenagem a Alex Strambio, o Bucho, que foi uma pessoa de grande importância no movimento underground e para nós.

A galeria e a capa são de Elton Panamby, com sua pesquisa na criação a partir dos limites psicofísicos atrelados a práticas de modificação corporal e experiências rituais.

Aghata Saan fala sobre sua trajetória dentro da cena dos sound systems. Vitórias e dificuldades fazem parte dessa história de luta e talento. Entrevista com o Coletivo de teatro: Dodecafônico. Poética de Luiz Fernando Bueno, que abre seu caminho por dentro das performances. Danilo Grilo fala sobre as bandas residentes do espaço e seus lançamentos, e Paloma Durante, junto com Felipe Apezzatti, abrem o jogo e trazem um pouco do conteúdo do grupo de estudos realizado no NIÁ: “Estratégias para ferir a Realidade”.

Essas esferas hoje estão em um mesmo bloco, compilando pensamentos, escritas e imagens produzidas por trabalhadores da cultura. A parte da execução não é diferente, são pessoas com trabalhos autorais, mas sempre fomentando outros projetos e possibilidades de apresentação.

Nessa estréia, o valor de lucro será revertido em doação de alimento.”

Renata Campos e outros jeitos, juntando formas.

Bem vinda rebenta edição, número 1, que trama rede.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Na medula do verbo

Na medula do verbo

Hoje, o Café com Muriçoca traz a recomendação de leitura da obra “Na medula do verbo”, de Michel Yakini-Iman.

Jornalistas Livres Entrevista: Maria Marighella

JL entrevista Maria Marighella, indicada nova presidenta da Funarte. Ela fala do desafio de participar do processo de reconstrução das políticas públicas culturais no Brasil pós-Bolsonaro

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria

Quem segura essa quebrada

Quem segura essa quebrada?

O Café com Muriçoca de hoje traz duas indicações de livros: “Viela Ensanguentada”, de Wesley Barbosa, e “O Pé que ficou naquela estação”, de Nina Barbosa.