Cresce desaprovação de Bolsonaro

Pesquisa XP/Ipespe.Desaprovação de Bolsonaro continua crescendo. Lula ultrapassa e ganha no primeiro e segundo turno

Simão Pedro, para os jornalistas livres.Pesquisa XP/Ipespe.Desaprovação de Bolsonaro continua crescendo. Lula ultrapassa Bolsonaro e ganha tanto no  primeiro como no  segundo  turno.

Uma nova rodada da pesquisa XP/Instituto Ipespe, foi publicada hoje e mostra nova deterioração do governo Bolsonaro e queda na sua aprovação. Também mostra pela primeira vez que Lula sobe e ultrapassa Bolsonaro no 1º turno se a eleição fosse hoje. Num 2º turno Lula ganha de Bolsonaro.

Os dados mostram também uma crescente preocupação do povo com a economia, a pandemia e o desemprego. Cresce a crítica à institucionalidade. Avaliação negativa de Bolsonaro sobe todo dia e chegou a 48% (era 45% há um mês atrás), enquanto despenca sua avaliação positiva, de 27% (estava em 30% há um mês atrás). Os que consideram o governo regular são 24% (não se alterou). A gestão de Bolsonaro sobre a pandemia e sobre o governo de uma forma geral vem tendo aumento nas críticas: 60% desaprova é apenas 35% aprova.

Cresce também a desaprovação dos prefeitos e governadores. Chama a atenção o fato de que 65% desaprovam a condução da economia que “está no caminho errado”. Somente 22% consideram que a economia está no caminho certo.Um dado interessante é o descrédito com o Congresso Nacional que atinge o pior índice nessa legislatura. Há 1 ano era 21% de ótimo e bom, e 32% de ruim ou péssimo. Hoje é de apenas 8% de ótimo e bom, e 48% de ruim ou péssimo.

A percepção sobre corrupção no governo também é alta. 46% consideram que vai aumentar e 23% que vai diminuir e 32% acham que vai ficar na mesma. Lula tem 29% das intenções de voto ante 28% de Bolsonaro. Sergio Moro e Ciro Gomes vêm na sequência, com 9% cada. No levantamento anterior, de um mês atrás, Lula tinha 25%, e Bolsonaro, 27%.Nas simulações de segundo turno, Lula também está numericamente à frente de Bolsonaro, com 42% a 38% — na pesquisa do início de março, Bolsonaro tinha 41% e Lula, 40%.O Ipespe fez 1.000 entrevistas por telefone.

Especialistas criticam a eficácia desse tipo de metodologia, pois as pessoa entrevistadas ficam mais desconfiadas e receosas de responder por telefone do que presencialmente.Chama a atenção, evidentemente, a aprovação de Bolsonaro na faixa de cerca de 1/3 da população, quando a Pandemia já matou 330 mil brasileiros e a fome flagela milhões e aumenta a miséria e desemprego. Mas é sempre bom lembrar que Bolsonaro usa a máquina pública federal para atender setores que lhe dão apoio: as milícias e setores militares, pastores evangélicos neopentecostais, empresários e mercado financeiro.

Bom lembrar também que as redes de fakenews e robôs distorcendo a realidade, atacando os adversários e buscando tirar a responsabilidade do presidente e seu governo dos males que assolam a população continuam à toda velocidade.

A pandemia impõe limites severos para organização de protestos e alcance dos atos da oposição, como foi o último no dia 24/03. A deteriorização é lenta e tende a crescer, porque a economia não dá sinais de melhora, muito pelo contrário e as crises, principalmente a da covid-19, só tendem a piorar. Mas o crescimento de uma preferência por Lula é uma realidade e dialoga com a construção de uma alternativa forte para derrotar Bolsonaro nas próximas eleições.

Cresce desparovação do desgoverno

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Manifestantes lembram mortes por covid-19 em SP

Protesto contra o capitão da morte em são Paulo. Manifestantes lembram mortes por covid-19 e cobram ações do desgoverno. Trezentas velas são acessas na escadaria do Teatro Municipal de São Paulo para lembrar os mais de 300 mil brasileiros e brasileiras vítimas do COVID-19 e do desgoverno genocida.

O suicídio coletivo até as Eleições de 2022 com Bolsonaro

Não temos alternativa senão tirar Bolsonaro do poder. Há quatro grandes poderes que podem extirpar o presidente do cargo: o Legislativo, o Judiciário, a grande mídia e a sociedade civil. Parece que os três primeiros não vão se mexer enquanto não houver pressão popular. Um mix de covardia, comodismo e interesses próprios tomou conta das mais altas instâncias de poder. Cabe à nós, que estamos morrendo, pressioná-los. Antes que seja tarde.Antes que não exista mais NÓS!2022, será tarde. Muito tarde.

ABI pede debate sobre impeachments

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) conclama o presidente da Câmara dos Deputados a colocar em pauta os processos de impeachments, encaminhados por esta Entidade, dos principais responsáveis pela crise dramática por que passa o país: o presidente e ex-capitão Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello.