#CPIDACOVID – Fotos mostram motoboy pagando boletos

A cúpula da CPI agitou a sessão ao apresentar imagens que, segundo seus integrantes, indicam que o motoboy Ivanildo fez o pagamento de ao menos quatro boletos em benefício de Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde

Com a ausência do motoboy Ivanildo Gonçalves Dias, da empresa VTCLog, que ganhou o direito de não comparecer à CPI por habeas corpus concedido pelo ministro Nunes Marques, do STF, a cúpula da comissão deve aprovar ainda nesta terça-feira um novo requerimento para convocá-lo.

A cúpula da CPI agitou a sessão ao apresentar imagens que, segundo seus integrantes, indicam que o motoboy Ivanildo fez o pagamento de ao menos quatro boletos em benefício de Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde. Nas imagens fotográficas, Ivanildo aparece entrando em uma agência do Bradesco em horários, dias e locais nos quais constam em extratos de quitação das contas.

Os pagamentos aconteceram em maio e junho deste ano. Roberto Ferreira Dias foi demitido do ministério em 29 de junho, após a acusação de ter cobrado propina pela aquisição de vacina pela Covid-19.

Convocada para depor no lugar do motoboy, Andreia Lima, diretora da VTCLog, avisou a CPI que não teria condições de comparecer e só poderá fazê-lo na quarta (1/9).

Dias teria sacado para a VTCLog o valor de R$ 4,7 milhões em dinheiro vivo durante dois anos e feito depósitos para fornecedores e clientes da empresa.

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), avalia a decisão do STF. Além de Ivanildo, Aziz quer convocar a advogada Karina Kufa, que defende o presidente Jair Bolsonaro na Justiça Eleitoral, além de seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). Karina é suspeita de participar de negociação para a compra da vacina Covaxin.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

O que ta pegando na CPI – Capítulo 1

Roberto Dias foi preso. O auge da CPI até agora. O fato ocorreu na quarta-feira, 07 de julho, no final de um depoimento na CPI da Pandemia, sob protestos e chiliques da base governista.

A esquerda retomou as ruas

As 600 entidades que organizam as manifestações mudaram o eixo e o “ethos” da esquerda, até então partidária e parlamentar

>