Confiança e degradação do Brasil

Mark Weisbrot é codiretor do Centro de Pesquisa Econômica e Política, em Washington, e presidente da Just Foreign Policy,
organização norte-americana especializada em política externa.
Neste artigo, Mark explica como o Brasil avança a passos largos para se tornar uma República das Bananas mergulhada em um longo período de declínio econômico, comparável à década perdida de 1980.

#Não ao Golpe! #Fora Temer! #Volta, querida!

 

Pela primeira vez em mais de três décadas, desde o fim da ditadura, o Brasil tem um governo que é amplamente visto como ilegítimo, não apenas por muitos de seus cidadãos, mas em boa parte do mundo.

A imagem do governo está maculada e se degrada mais a cada semana que passa, com escândalos crescentes tomando conta dos mais altos escalões do Executivo.

Em junho, o terceiro ministro do governo interino renunciou sob acusações de corrupção. Inconvenientemente, ele era o ministro interino do Turismo, quando o país enfrentava pedidos de especialistas internacionais em saúde pública para adiar as Olimpíadas por causa do vírus Zika.

O presidente interino, Michel Temer, teve o tino político “unificador” de nomear um gabinete composto inteiramente por homens brancos e ricos — em um país no qual metade da população se identifica como afro-brasileira ou mestiça.

Muitos dos ministros empossados são investigados por suspeita de corrupção. O próprio Temer foi condenado pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo por doações de campanha acima do limite legal.

São essas as pessoas que tentam depor Dilma Rousseff, presidente afastada não por corrupção, mas por utilizar um mecanismo contábil, conhecido como pedalada fiscal, que governos anteriores também haviam usado.

É verdade que todos os principais partidos políticos foram implicados na corrupção. Mas, pela primeira vez na história do Brasil, a presidente Dilma autorizou promotores a investigar autoridades corruptas, independentemente de quem fosse atingido. Já ficou claro que o objetivo principal de seus opositores é impedir a continuidade das investigações e dos julgamentos.

Atualmente o Brasil também se destaca negativamente por ser o país com maior número de assassinatos de ativistas ambientais. Não parece provável que o novo ministério de direita, estreitamente ligado aos interesses do agronegócio, fará algo para prevenir esses assassinatos.

Ironicamente, o objetivo declarado do governo interino foi restaurar a “confiança”, principalmente dos investidores internacionais. Mas o oposto aconteceu: o governo está muito mais mergulhado em escândalos e sua reputação internacional está caindo no abismo.

O conselho editorial do jornal “The New York Times”, que está longe de ser fã de qualquer governo latino-americano de esquerda, escreveu dois textos nas últimas semanas sobre a política brasileira, com os títulos “A medalha de ouro em corrupção do Brasil” e “Agravando a crise política do Brasil”.

O Brasil foi uma estrela em ascensão internacional durante a maior parte do governo do PT, inclusive por suas conquistas domésticas, tendo reduzido a pobreza em mais da metade e triplicado o crescimento do PIB per capita nacional ao longo de uma década, até entrar em recessão em 2014.

É verdade que Dilma cometeu um erro ao aceitar o dogma desgastado, ainda muito popular nos textos escritos hoje sobre o Brasil, de que austeridade fiscal, cortes nos investimentos públicos e elevação das taxas de juros poderiam de alguma maneira conquistar a confiança dos investidores e compensar o impacto econômico negativo.

Todavia, o governo interino está redobrando a austeridade e gerou entre os investidores toda a confiança que seria suscitada por uma grande e gorda República das Bananas. Se o Senado votar pela deposição da presidente eleita, pode inaugurar um longo período de declínio econômico, comparável à década perdida de 1980.

Tradução de Clara Allain.

Com foto de Fernando Sato

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Lula e Xi: por nova ordem mundial

Coincidência vai além do terceiro mandato e é vista em discurso que desenha uma nova configuração da forças politicas no mundo, onde o protagonismo pode