Candidatos de cocar se lançam para enfrentar bancadas do boi e da bala no Congresso

Para Sônia Guajajara, é preciso "aldear a política" com uma bancada do cocar; em 522 anos de Brasil, apenas 2 indígenas se elegeram deputados
Sônia Guajajara: "É preciso aldear a política para reflorestar os corações e as mentes"
Sônia Guajajara: "É preciso aldear a política para reflorestar os corações e as mentes"

“Aldear a Política.” Esta é a ideia por detrás das dezenas de candidaturas indígenas que, neste ano, estão disputando as eleições. Lideranças de povos distintos, como Sônia Guajajara, Joênia Wapichana ou Vanda Witoto querem participar do jogo democrático, porque perceberam o absurdo que é haver, no Congresso Nacional, bancadas como a do Boi (do agronegócio), da Bala (de policiais), da Bíblia (de pastores) ou dos empresários, e uma ausência quase absoluta de representação indígena.

Por Laura Capriglione, Eliane Caffé, Andrea Lanzoni e Bruno Risas

O “quase” fica por conta da única deputada oriunda dos povos originários, Joênia Wapichana, uma pioneira e tanto. Advogada por formação, Joênia foi a primeira mulher indígena a exercer a profissão no Brasil. Também foi a primeira mulher indígena a ser eleita deputada federal, em 2018, representando Roraima. Antes dela, apenas um outro indígena ocupou assento no Congresso Nacional, o xavante Mario Juruna, eleito em 1982. Ou seja, nos 522 anos do Brasil, apenas dois indígenas compuseram o legislativo brasileiro. É uma denúncia mais do que eloquente do racismo estrutural contra os povos originários!

O fato de o presidente Jair Bolsonaro ter eleito os indígenas e suas terras como os principais alvos de ataque de seu governo, entretanto, criou uma urgência por representação nas instâncias de poder. Com a bênção da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), as candidaturas próprias espalharam-se pelo país, enfrentando nas urnas as velhas raposas da política. É a luta do cocar para se impor no meio dos paletós e gravatas!

As candidaturas indígenas são o que há de mais novo nestas eleições.

Para entender o tamanho do desafio, Jornalistas Livres entrevistaram Sônia Guajajara, coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e uma das mais importantes lideranças indígenas do país. Sônia Guajajara também integra o esforço por uma representação indígena no legistativo, apresentando-se como candidata a deputada federal pelo PSOL de São Paulo. Sônia, que pertece ao povo Guajajara do Maranhão, foi considerada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Time em 2022.

Assista à entrevista e compartilhe com seus amigos. O Brasil precisa dos saberes indígenas para proteger as florestas e o meio ambiente em geral. Precisa dos saberes indígenas para que sejamos capazes de enfrentar as mudanças climáticas. Precisa dos saberes indígenas para que o país seja ecologicamente sustentável. Precisa dos saberes indígenas para, como diz Sônia, “reflorestar as mentes e os corações”, tão destruídos pelo incêndio bolsonarista.

Veja quem são os candidatos indígenas, guarde seus nomes e vote! Jornalistas Livres apoiam as candidaturas indígenas!

Célia Xacriabá, candidata a deputada federal, Minas Gerais

Ivan Kaingang, candidato a deputado federal, Paraná

Almir Suruí, deputado federal, Rondônia

Joênia Wapichana, deputada federal, Roraima

Kerexu Yxapyry, deputado federal, Santa Catarina

Ninawa Huni Kuin, deputada federal, Acre

Lucio Xavante, deputado federal, Mato Grosso

Maial Kaiapó, deputada federal, Pará

Sônia Guajajara, deputada federal, São Paulo

Toninho Guarani, deputado federal, Espírito Santo

Vanda Witoto, deputada federal, Amazonas

Vanessa Xerente, deputada federal, Tocantins

Coletivo Indígena de Pernambuco, deputado estadual, Pernambuco

Coletivo ReExistência, deputado estadual, São Paulo

Maria Leonice Tupari, deputada estadual, Roraima

Aldenir Wapichana, deputado estadual, Roraima

Aruan Pataxó, deputado estadual, Bahia

Chirley Pankará, deputada estadual, São Paulo

Coletivo Guarnicê com Rosilene Guajajara, deputado estadual, Maranhão

Eliane Xunakalo, deputada estadual, Mato Grosso

Juliana Jenipapo Kanindé, deputada estadual, Ceará

Junior Manchineri, deputado estadual, Acre

Kretã Kaingang, deputado estadual, Paraná

Lindomar Xoko, deputado estadual, Sergipe

Marcos Apurinã, deputado estadual, Amazonas

Professor Eloir, deputado estadual, Rio Grande do Sul

Professora Edite, deputada estadual, Roraima

Robson Haritiana, deputado estadual, Tocantins

Val Eloy, deputado estadual, Mato Grosso do Sul

Simone Karipuna, deputada estadual, Amapá

Leia mais notícias sobre os povos indígenas AQUI

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural

Quem vê corpo não vê coração. Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental na classe trabalhadora.

Desigualdade social e doença mental

Quem vê corpo não vê coração.
Na crônica de hoje falamos sobre desigualdade social e doença mental. Sobre como a população pobre brasileira vem sofrendo com a fome, a má distribuição de renda e os efeitos disso tudo em nossa saúde.

Cultura não é perfumaria

Cultura não é vagabundagem

No extinto Reino de Internetlândia, então dividido em castas, gente fazedora de arte e tratadas como vagabundas, decidem entrar em greve.