Candidato à presidência da República denuncia ataques racistas nas redes

Léo Péricles - Reprodução do Facebook

O pré-candidato à presidência da República Léo Péricles, pela Unidade Popular (UP) pelo Socialismo, está denunciando uma série de manifestações racistas de que tem sido vítima nas redes sociais. “O que era esporádico, agora tem sido de forma intensa e ostensiva”, afirmou. As redes sociais (WhastApp, Instagram e Facebook) do pré-candidato e presidente da UP receberam diversas mensagens de cunho racista. Em algumas, foram citados nomes de pessoas como Hitler e do genocida Jair Bolsonaro.

Por meio de sua assessoria, Léo destaca que sabe da importância do papel que cumpre como homem negro, trabalhador e morador de ocupação no processo político brasileiro. “Há mais de 90 anos, um negro não é candidato ao cargo mais importante do Brasil. A minha presença incomoda os racistas e os fascistas que querem manter seus privilégios. Esses ataques serão tratados como devem pelo jurídico do nosso partido e sendo mola propulsora para lutarmos ainda mais para a construção de uma sociedade onde preconceitos como o racismo não existam”, afirmou.

Morador na Ocupação Eliana Silva, no bairro Barreiro, em Belo Horizonte, Léo Péricles mostrou uma postagem em que a mensagem racista é exibida na tela e atribuída ao perfil de Bruno Silva: “Boa tarde. Eu sou português ariano puro e sinto nojo de pretos porque a tua raça tem em média 55-80 de QI e também possuem altíssima propensão para a violência. A raça preta deveria ser expulsa das cidades e empurrada de volta para a selva, um lucar que nunca deveria term saído. Obrigado”, diz o perfil, que também publicou fotos de um macaco e faz outros xingamentos.

A Unidade Popular vem fazendo uma campanha para defender a presença dos candidatos negros nos debates das emissoras de TVs. “É de suma importância que a população brasileira saiba que não existem apenas homens e mulheres brancos e ricos como opção para governar o país”, e enfatiza, “seguiremos lutando contra todo e qualquer tipo de discriminação”.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

>