Ato em Cuiabá destaca Bruno e Dom como mártires e cobra saída de presidente da Funai

Seus nomes ecoaram pela praça Alencastro, no Centro de Cuiabá, nesta terça-feira, dia 21, ao som de batuques, palmas, choros, gritos e cantos
ATO PÚBLICO - “EM LUTO, NA LUTA” “SE SUAS MORTES SÃO RAZÃO DE LUTO, SUAS VIDAS SÃO RAZÃO DE LUTA” . Foto: Francisco Alves

Comunicação Popular JURA MT: texto Gibran Lachowski/fotos Francisco Alves.

O indigenista brasileiro Bruno Pereira e o jornalistas inglês Dom Phillips, assassinados no estado do Amazonas, permanecem vivos na memória de indígenas, lutadoras e lutadores populares. Seus nomes ecoaram pela praça Alencastro, no Centro de Cuiabá, nesta terça-feira, dia 21, ao som de batuques, palmas, choros, gritos e cantos.

Estiveram presentes em cruzes de madeira junto a outros mártires que foram assassinados ao defenderem as causas dos povos indígenas, do meio ambiente, da terra, das mulheres, da população negra, da Amazônia… João Canuto, Marielle Franco, Zé da Paes, Chico Mendes, Josimo Tavares, Dorcelina Folador, Maria Bem Vinda, Dorothy Stang, Galdino de Jesus e tantos mais.

ATO PÚBLICO – “EM LUTO, NA LUTA” – Fotos: Francisco Alves

Bruno e Dom também estavam presentes em cartazes associados a lutas populares: “Defenda o SUS”, “LGBTfobia mata”, “Juventude quer viver”, “Não ao marco temporal”, “Fora, Bolsonaro”, “Reforma agrária já”, “Basta de racismo”, “Quem mandou matar Bruno e Dom?”, “Nenhuma a menos”, “Demarcação já”, “Justiça por Bruno e Dom”.

E até no minuto de silêncio ecoaram os nomes de Bruno Pereira e Dom Phillips, enquanto líamos numa faixa estendida no chão próxima à bandeira do Brasil: “Se calarmos, as pedras falarão”.

Militantes e entidades que organizam a Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA)/MT estiveram presentes no ato, prestando solidariedade e fortalecendo as reivindicações. 

Elias Bigio, servidor aposentado da Fundação Nacional do Índio (Funai) e amigo de Bruno Pereira, falou do esforço do indigenista para mobilizar órgãos públicos a fim de garantir fiscalização no Vale do Javari, no estado do Amazonas, para impedir a ação de garimpeiros, de extratores de madeira e do comércio ilegal de peixes. E confirmou que a exoneração do indigenista em 2010 ocorreu por seu empenho na defesa dos povos indígenas isolados e recém-contatados na região.  “Mesmo assim ele não parou. Atuou junto à Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari) na defesa dos povos originários da Amazônia”.

ATO PÚBLICO – “EM LUTO, NA LUTA” “SE SUAS MORTES SÃO RAZÃO DE LUTO, SUAS VIDAS SÃO RAZÃO DE LUTA” Aconteceu hoje (21/6), terça-feira, na Praça Alencastro, Centro de Cuiabá, a partir das 17h, a manifestação em memória de Bruno Pereira e Dom Phillips e fez parte de uma mobilização nacional. Vem acompanhado de um manifesto assinado por organizações socioambientais, indigenistas, indígenas, jornais, sindicatos e movimentos sociais

“Olha o rio Cuiabá, como está acabando! Olha a fumaça no mês de agosto! Olha a Chapada dos Guimarães! Olha o Pantanal! Olha a Floresta Amazônica! Essa luta também é de vocês, não é só dos indígenas”, alertou e convocou Eliane Xunakalo, indígena Bakairi e integrante da Federação dos Povos e Organizações Indígenas de Mato Grosso (Fepoimt), referindo-se ao conjunto da população brasileira.   

Ela também fez um apelo para que se fortaleçam as políticas públicas quanto à defesa das/dos defensores dos direitos humanos e da terra. “Esse governo tem as mãos sujas de sangue pelas mortes de Bruno e Dom. Prova disso é o crescimento da extração ilegal de madeira, do garimpo e do agronegócio na Amazônia”, denunciou Elisa Lobato, do Levante Popular da Juventude.   

“Mas continuamos na luta contra esse governo genocida que massacra os povos indígenas, desrespeitando seus territórios sagrados. Por isso exigimos a saída do presidente da Funai (Marcelo Xavier)”, afirmou, ao microfone, Gilberto Vieira dos Santos, o Giba, representante do Conselho Indigenista Missionário (Cimi). Essas e outras reivindicações constam do manifesto lido na praça, que pode ser consultado no link: https://formad.org.br/arquivos/2281 .

Com fitas pretas nos braços (símbolo de luto) e os punhos cerrados (símbolo de luta), as/os participantes terminaram o ato público aos gritos de “Bruno e Dom, presentes!”.

COMENTÁRIOS

  • Linda ação…
    Bruno, Don, Doroty, Chico e tantos outros/as…
    Presente, presente, presente

  • POSTS RELACIONADOS

    >