Ailton Krenak – O amanhã não está à venda

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

  • Cada artigo que leio do Ailton fico convencido de que a preservação da natureza é algo que deve ou pelo menos deveria ser ou ter um olhar especial.
    O respeito as minorias, aos povos indígenas os menos favorecidos também deve ser algo merecedor de uma visão diferenciada por parte dos poderosos, que levassem em conta o ser humano, mais que os grandes projetos que rendem milhões de dólares para a economia mundial, mas produz um viés perigoso para o futuro da humanidade, pois, à muito o desenvolvimento, os grandes projetos, a globalização, as tecnológicas avançadíssimas, etc, não levam em conta como devia, em relação a natureza, as minorias, aos menos favorecidos, as mazelas, ou seja enquanto algumas pessoas ficam multimilionários, milhões de pessoas ficam sem a ração minima para apenas sobreviverem doentes, sem alternativas, sem perspectiva futura, @em esperança, sem atendimento e sem nenhuma segurança social, etc.
    Ailton Krenac consegue fazer ricas colocações que devem ou deverão fazer os grandes pebsadores, cientistas, governantes, empresários e a sociedade como um todo, pusessem pensar mais no hoje, mais no ser humano, no respeito entre pessoas e as divergências que são natural entre viventes, pudessem apenas levar a convergência, a manutenção do respeito entre todos, ou seja, ele consegue mostrar que o vírus espera e até torca que a sociedade nao volte a normalidade que viviamos antes dessa pandemia, afinal, se observarmos como a sociedade está vivendo, a velocidade que tido acontece e o quando as diferencas entre os ricos e pobres se disntanciam cada vez mais, a destruição de tudo que é natural e que tem importância na continuidade da vida. Para tanto, lendo os artigos do Ailton, percebemos que, se depois que passar a pandemia a sociedade nada aprender, se os grupos sociais ideológicas, nao aprender a separar o certo do errado, se a economia continuar tendo peso maior na vida das pessoas, principalmente se continuarmos nao vendo valor algum no idoso no obeso nos que possuem doenças crônicas, etc, enfim, se não serviu para agirmos diferentes, estamos fadados em ver as anormalidades como coisas normais e o ser humano deixará de ser importante e a economia substituirá tudo que a natureza gratitamente nos presentiou, deixando o ser humano de ser o centro das preocupaboes sociais, continuar o processo que estamos vivenciando, ou seja, se nada aprendermos com o covid-19, então a humanidade realmente estará falida e dias piores virão.

  • Tudo faz sentido e esse pensamento é pura realidade que estamos vivendo como se fossemos sem importancia nesse planeta. A economia como sempre em primeiro lugar.

  • Ailton Krenak nos leva a um momento de reflexão: o mundo não será o mesmo na pós pandemia…

  • POSTS RELACIONADOS

    Carta à Marília Arraes

    Ex-deputado estadual, ex-líder do Governo Arraes na Assembleia Legislativa, Carlos Lapa, que ontem deu entrada com sintomas de Covid-19 no Hospital Português, fez de lá

    >