A vida nos atravessa

por Ailton Krenak

Parece que quem vive na cidade não experimenta isso
com muita frequência porque a cidade é tão artificial
que tudo parece que tem uma existência automática.
Você estende a mão e tem um pão, tem uma padaria,
uma farmácia, um supermercado, uma drogaria, um
hospital… Na floresta, não tem essa substituição da
vida — ela flui e, no fluxo da vida, você sente mais
a sua pressão. Experimentar a pressão da vida talvez
fosse a experiência para substituir a ideia de natureza.
Isso que a cultura chama de natureza deveria ser uma
fricção do nosso corpo com a vida, em que soubéssemos de onde vem o que eu como, o que vem no ar que
eu respiro, para onde vai o ar que expiro.

Essa consciência de estar vivo deveria nos atravessar de uma maneira em que a vida não fosse alguma
coisa fora de nós, em que a pessoa sentisse de verdade:
a vida está em mim, não fora! Experimentar a vida em
nós, a vida nos atravessando. Para além da ideia de “Eu
sou a natureza”, é sentir que essa experiência nos atravessa de uma maneira tão maravilhosa que o rio, a floresta, o vento, as nuvens, tudo que podemos perceber
como externalidade, tudo isso está em nós — é o nosso
espelho na vida. Eu tenho uma alegria muito grande
de experimentar essa sensação e fico às vezes tentando
comunicá-la a outras pessoas. Mas eu também respeito
o fato de que cada pessoa tem a sua passagem aqui no
mundo informada por diferentes mundos.

Tomie Ohtake- 2013/aço tubular

*Texto in Radicalmente Vivos– Ailton Krenak – o lugar

*imagens por helio carlos mello

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Recorde em SP: 48 mil pessoas vivem nas ruas

Um levantamento realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostra que 48.261 pessoas viviam nas ruas em São Paulo no ano de 2022, sendo o maior já registrado na capital paulista. No Brasil são quase 192 mil pessoas em situação de rua registradas no CadÚnico.

Hoje Maria Marighella é a entrevistada no Programa JORNALISTAS LIVRES ENTREVISTA. Atriz, mãe, militante e produtora cultural. Herdeira de uma família de tradição militante. Maria