A pedofilia de Damares

Por professor Dr. Alexandre Santos de Moraes, da UFF

Na última semana, a bolsonarista Damares Alves fez uma denúncia gravíssima. Em evento religioso, afirmou que crianças bem pequenas, de 3 a 4 anos, seriam vítimas de tráfico de pessoas. Elas teriam seus dentes arrancados para não oferecerem risco ao sexo oral e seriam alimentadas apenas com comidas pastosas para manter o cólon limpo para a penetração. Damares também disse ter vídeos de crianças de oito dias sendo estupradas. Somos incapazes de imaginar uma história de horror equivalente. Acho que nem a literatura de terror foi tão longe. Ninguém é ingênuo a ponto de duvidar da crueldade do ser humano, mas tudo indica se tratar de uma enorme mentira que nasceu de uma mente doentia e que encontrou em outras similares o terreno fértil para sua proliferação.

A ex-ministra de Bolsonaro foi perversa em diversos níveis. As alegações foram feitas em um culto evangélico, diante de centenas de crianças. A denúncia funcionava como um “alerta”, um chamamento para que sua audiência conhecesse o suposto país em que vivem com vistas a defender a candidatura do patrão de quem é serva leal. O problema é que as autoridades competentes, inclusive as citadas, não foram acionadas. A Polícia Civil do Pará e o Ministério Público Federal (MPE) estão exigindo, em caráter de urgência, a comprovação de que foram comunicados. A filmagem que ela disse ter não foi apresentada. Pressionada, Damares encaminhou documentos que não provam nada e caiu em contradição: primeiro, disse ter recebido as denúncias via ouvidoria de seu Ministério; depois, afirmou ter ouvido as histórias nas ruas.

Nada é mais repulsivo que a pedofilia. Trata-se de uma forma doentia de satisfação sexual com menores de idade que enseja inúmeros crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente e do Código Penal. A fantasia de Damares Alves, dado o requinte de crueldade contra a dignidade da pessoa humana, exporia um dos delitos mais abjetos de que a Justiça brasileira teria notícia. Um fato dessa gravidade não poderia nem mesmo ser anunciado naquelas circunstâncias, sob o risco de atrapalhar a investigação que a ex-ministra disse que os órgãos competentes deveriam estar conduzindo. O conjunto dos fatos leva a crer que seja mentira, mas a situação não seria melhor se fosse verdade.

A relação doentia com o sexo é parte do sensacionalismo político de Bolsonaro. O presidente, que admitiu em rede nacional ter transado com animais, foi um entusiasta divulgador de cartilhas que não existiram e da célebre mamadeira de piroca, símbolo dos absurdos da campanha de 2018. O problema é que, quatro anos após aquela fatídica eleição, o bolsonarismo está mais frágil e na iminência de ser derrotado, o que os leva a aumentar a aposta e a investir em discursos ainda mais graves, dessa vez com o respaldo de alguém que teria acesso a informações privilegiadas. A exploração sexual de crianças é um problema real no Brasil e deve ser enfrentado com rigor, tanto para punir os agressores como para preservar as vítimas. Qualquer tipo de exploração da vulnerabilidade infantil é um abuso e deve ser objeto de profunda condenação.

Os crimes de pedofilia não envolvem apenas a prostituição de crianças e adolescentes, mas também a produção e comércio de material pedófilo, aliciamento de crianças etc. O uso político, sobretudo para fins eleitoreiros, do abuso sexual de crianças e adolescentes, precisa ser encarado como um novo problema. A ex-ministra a Família, da Mulher e dos Direitos Humanos fez uso de sua função pública para explorar o abuso de crianças em benefício de seu grupo político. Nesse cenário de mentiras e perversidade, que mistura problemas reais com notícias falsas, a única pessoa que temos certeza que se apropriou da pedofilia foi a senadora eleita que advoga combatê-la. Essa é mais uma faceta do sensacionalismo bolsonarista: acuse os outros daquilo que você mesmo faz.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural