A passagem de ano novo

Este ano vejo sentido de comemorar. O povo brasileiro vai retomar a democracia e a possibilidade de viver sem o fascismo.

por Ivan Seixas

Nunca liguei para festas de fim de ano. Menos ainda para passagens de ano. Cinco dessas passagens de ano eu estava na cadeia. Não tinha o que comemorar, nem manifestar desejos e superstições para um ano novo. Eu sabia que ficaria muito tempo encarcerado.

Sempre achei que a champanhe e a fartura dessas festas de final de ano não correspondem à realidade do nosso país, menos ainda da população pobre do Brasil.

Nossa família pobre via todo ano meu pai usar o seu décimo terceiro salário para comprar um queijo bola para marcar o final de ano. E gostava muito de momentos de festas. Lembro com saudade dele fazendo um churrasco para marcar a passagem para um novo ano, principalmente. adorava fazer galeto na churrasqueira.

O operário comunista e ateu fazia brinquedos para que seus filhos tivessem um natal e não se sentissem discriminados na sociedade cristã. Fazia carrinhos para mim e meu irmão, fazia também casinhas de bonecas e bonecas de pano para minhas irmãs. Tudo para que não nos sentíssemos diferentes na sociedade, mas explicava sempre a desigualdade social e nos ensinava a ter orgulho de pertencermos à classe trabalhadora, apesar de todas as dificuldades geradas pela pobreza.

Mesmo com essa gotinha de amargura histórica e saudade de meus pais, desejo que o ano novo seja melhor para a classe trabalhadora, mas sei que será com muita luta.

Este ano vejo sentido de comemorar, pois o povo brasileiro vai retomar a democracia e a possibilidade de viver sem o fascismo. Esta será a segunda vez que vivo isso. A primeira foi quando nos livramos da ditadura dos militares e agora é para marcar que nos livramos dos mesmos militares fascistas e de uma quadrilha de delinquentes milicianos a serviço do fascismo.

Ótimo ano de 2023 para nós.

Leia também: Voltem para seus lares, pede Mourão aos bolsonaristas nas ruas

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Salve, Gloria Maria!

Salve Gloria Maria. Mulher, preta, chic, vanguardista e ícone fashion. Tal como um farol, ela sinalizava que era possível desbravar o mundo.

Jornalistas Livres Entrevista: Livia Sant`Anna Vaz

O JL Entrevista conversa com a promotora de Justiça Livia Sant’Anna Vaz, do Ministério Público da Bahia. No bate-papo, Livia fala sobre feminicídio, cultura do estupro e igualdade racial, entre outros temas.