A negligência do estado sentencia vidas na pandemia

Aluna da rede pública falece vítima da covid após a volta das aulas presenciais. A escola suspende as aulas.

Em Campinas (SP), a segunda onda pandêmica da Covid-19, dá seus sinais que existe um certo descontrole e má gestão na forma de condução da crise sanitária. Assim como em várias cidades do interior paulista o números de casos, a ocupação de leitos, e mortes têm aumentando. A campanha de vacinação da população caminha lentamente pela péssima gestão do Governo Federal . Os índices de ocupação dos leitos na cidade estão em números elevados , acima de 80% e o sistema pode colapsar em breve.

Poucas medidas quaternárias têm sido adotadas pelo prefeito Dário Saadi (Republicanos) – na sua campanha eleitoral para prefeito, Dário publicitava a sua qualidade e experiência  como médico e gestor.
 No  último sábado (21/2), o prefeito participou  de um evento  na  Escola de  Cadetes, no qual é fotografado algumas vezes sem  máscara, ao lado do Presidente Jair Bolsonaro. Logo no dia seguinte, a cidade  sofria  com a lotação máxima nas UTI-Covid da rede pública, não havendo disponibilidade de leito algum na rede. Casos além da covid, como gestantes,  acidentes,  infartos e outros que necessitassem dos cuidados  da unidade  de terapia intensiva  não teriam vagas.

O Prefeito de Campinas Dario Saadi ao lado do Presidente Jair Bolsonaro em um evento na Escola de Cadetes

Apesar do alto índice de ocupação, a cidade segue na fase amarela do Plano São Paulo, o prefeito Saadi prometeu anunciar medidas mais contundentes no combate a propagação do vírus na cidade, no dia seguinte a ocupação máxima.

Na segunda-feira,  (22/02) Dario Saadi anunciou medidas de acordo com o entendimento que a sua gestão faz de regras mais restritivas adequadas para a cidade: a  adoção de regras da fase vermelha, a mais restritiva do Plano SP, no período noturno  em que permanecem abertos entre 21h e 5h apenas os serviços essenciais. O prefeito ainda manteve o início do ano letivo da rede municipal para 1º de março, mas aulas noturnas presenciais seriam suspensas.

Não houve mudança da classificação no Plano SP pelo governo estadual – a região administrativa de Campinas segue classificada na fase amarela.

Contaminação na sede administrativa do governo municipal 

No início da semana,  foi  confirmado um surto de casos de covid-19 entre motoristas do Paço Municipal ( sede administrativa do governo municipal)  pelo DEVISA (Departamento de Vigilância em Saúde em Campinas).  Até o momento , sete casos positivos de covid-19 foram confirmados entre os motoristas.  Os trabalhadores que exercem a função de motoristas  fazem itinerários prestando serviço para diversas secretarias, transportando servidores, funcionários, secretariado, estagiários, patrulheiros, etc.

 Em nota, a Administração afirmou que “todos aqueles que tiveram contato com os contaminados, também são estão sendo monitorados”, sem informar se algum secretário teve contato com os infectados.

Paço Municipal, surto de covid-19 entre os motoristas que executam serviços para quem trabalha no prédio da administração pública municipal

Contaminação e morte em escola pública, fechamento das escolas

Após um surto  de covid-19, várias escolas da rede privada de ensino  anunciaram a suspensão das aulas presenciais após a confirmação de casos positivos da Covid-19 em funcionários e alunos.

Na rede pública estadual, ontem (dia 24/2 ),  a Escola Jardim Marisa, localizada na região do Campo Belo, suspendeu as atividades presenciais por conta de casos de covid-19. A unidade é a primeira da cidade a suspender as aulas.

No dia de hoje,  quinta-feira (25/2), foi enterrada a adolescente  Ana Clara Macedo dos Santos, de 13 anos, aluna do 8° ano, Escola Estadual Rachel de Queiroz , localizada no Jardim Yeda,  faleceu em decorrência de complicações da Covid-19. Ana Clara passou mal no último domingo (21/02). Foi internada na segunda-feira e morreu ontem (24/02). Quando foi internada já estava com manchas no pulmão e febre de 44°.

A vereadora Guida Calixto (PT) solicitou que o Ministério Público suspenda o retorno presencial às escolas até que se tenha a segurança da efetividade dos protocolos sanitários, o apropriado diálogo com as comunidades escolares e o controle da infecção na cidade, sugerido pela diminuição nas taxas de letalidade, contaminação e internação em UTI.

A escola emitiu uma nota de pesar sobre o falecimento da aluna Ana Ana Clara Macedo dos Santos, de 13 anos, aluna do 8° ano

Prefeitura adia retorno as aulas presencias da rede pública municipal para abril

 A Prefeitura de Campinas decidiu adiar a volta das aulas presenciais na rede municipal de ensino para o dia 5 de abril. O início estava previsto para a próxima segunda-feira, 1º de março. As aulas vão seguir de forma remota, como acontece desde o dia 8 de fevereiro.
 Em nota a prefeitura  informa que a  decisão  da Secretaria de Educação  levou em conta as considerações feitas pela Secretaria de Saúde  tais como: a mudança no perfil epidemiológico (com mais jovens sendo afetados pela Covid-19), a ocupação de leitos de UTI-Covid de quase 100% no SUS, a suspeita de circulação da nova cepa do coronavírus na cidade e o impacto de circulação de pessoas que o retorno às aulas provocaria.

O Secretário de Educação, José Tadeu Jorge, vinha defendendo o retorno às aulas presenciais na rede municipal alegando que o ambiente é seguro para isso. 

Secretário de Saúde participa de audiência na Câmara de Campinas

As medidas  continuam insuficientes  mesmo contratando leitos da rede privada,   O Secretário de Saúde de Campinas, Lair Zambon, declarou que a perspectiva da Saúde em Campinas tem sido de “guerra” enfrentando uma pressão na rede de saúde e a falta de recursos suficientes para o enfrentamento da pandemia. 

O Secretário de Saúde em audiência pública, hoje (25/02), na Câmara Municipal, afirmou que a taxa de ocupação de leitos tem se mantido alta, sendo que ontem o índice era de 88,42% entre todas as redes, com 252 dos 285 leitos de UTI-Covid ocupados.

Atualmente, a cidade totaliza 1.836 mortes desde março de 2020 e 68.375 moradores que tiveram resultado positivo para a infecção de coronavírus.

COMENTÁRIOS

  • Matéria tendenciosa e sensacionalista, obviamente, feita por quem está contra o governo. “O Devisa (Departamento de Vigilância em Saúde) de Campinas confirmou nesta sexta-feira (26) que investiga a morte de uma estudante de 13 anos, em Campinas, por suspeita de covid-19. Segundo o órgão, o exame PCR para covid-19 da adolescente deu negativo.”

  • POSTS RELACIONADOS

    >