A força e a fraqueza do bolsonarismo

O blocão parlamentar do Lira, a CPI do golpe e outras cositas más...

Rodrigo Perez Oliveira, professor de Teoria da História na Universidade Federal da Bahia

Finalmente, está instalada a CPI da tentativa de golpe de Estado do 8 de janeiro. Já há alguns meses que o tema está posto no Congresso Nacional, sendo alimentado pela oposição bolsonarista, convencida de que é possível inverter a narrativa e culpar o governo pelo que aconteceu.

Penso que o governo errou em investir tanta energia tentando barrar a CPI. O erro, talvez, traduza compreensão ainda equivocada da natureza do bolsonarismo.

“Bolsonarismo”.

Desde as eleições presidenciais de 2018, o termo passou a fazer parte do vocabulário político brasileiro. Manifestação radical do antipetismo, herdeiro do lavajatismo. Muito já se escreveu sobre o bolsonarismo, manifestação cultural que pauta a relação de parte significativa da sociedade brasileira com o poder.

Antes de ser movimento político, o bolsonarismo é fenômeno cultural.

O bolsonarismo veio pra ficar, já faz parte do ecossistema político nacional. Precisaremos aguardar as eleições municipais do ano que vem para conhecer com mais precisão o tamanho de sua força . Talvez já não seja tão forte quanto antes, mas está longe de ser irrelevante.

De onde vem a força do bolsonarismo?

Claro que a resposta passa pela liderança de Jair Bolsonaro, seu inegável carisma e sua capacidade de mobilizar afetos e despertar identificação num certo tipo social brasileiro. Acredito, porém, que a discussão vai além do personalismo do ex-presidente.

O bolsonarismo é resultado de certa experiência de crise na ordem democrática fundada no princípio da mediação institucional.

Explico.

A democracia representativa, necessariamente, demanda confiança na capacidade das instituições em mediarem a vontade política da sociedade civil. Congresso Nacional, Poder Judiciário, políticos profissionais eleitos, partidos políticos. Para que o sistema funcione, a sociedade precisa confiar que seus interesses estão sendo representados por essas instâncias.

É verdade que desde o século XIX a engrenagem é alvo de desconfianças e objeto de críticas, à esquerda e à direita do espectro ideológico. A ideia de “crise democrática”, portanto, não é exatamente uma novidade. Porém, hoje, a desconfiança se capilarizou de tal forma que o sistema democrático é tensionado em dimensão inédita.

Mal-estar social em virtude da precarização do trabalho, queda da qualidade de vida nas cidades, insegurança, violência urbana. Isso cria um ambiente de frustração e ressentimento que compromete estruturalmente a confiança na democracia representativa. As mídias digitais, que potencializam a crença na participação política direta, vêm se somar a esse cenário de amplificação da crise democrática.

A demanda é pela constante participação, pela total transparência, pelo acompanhamento em tempo real do processo político. Está exatamente aqui a força do bolsonarismo: a enorme habilidade de usar as mídias digitais para transformar a política institucional numa espécie de reality show.

Essa é, também, sua fragilidade.

Com um smartphone na mão, o político bolsonarista alimenta seu público com frases de efeito facilmente digeríveis, simplificando temas complexos, criando a sensação da constante participação.

Assim, o cidadão desconfiado com a mediação se sente, de fato, protagonista, parte do processo político. Impossível negar que o método tem sua eficiência. Tem também suas fragilidades, e isso fica evidente na trajetória de derrotas do bolsonarismo no plano da política institucional. Foi derrotado quando era governo e está sendo derrotado agora, na oposição.

É que mesmo em crise, a democracia representativa ainda conserva certa capacidade de sobrevivência, como demonstram a vitória de Joe Biden, nos EUA, e de Lula, aqui no Brasil.

Ambas as eleições serviram como referendos, onde a própria democracia representativa estava sendo julgada. Com todas as dificuldades, o veredito popular foi favorável ao sistema.

Depois de experimentar a subversão à ordem democrática com Trump e Bolsonaro, nos dois países, a maioria decidiu que, apesar de tudo, era melhor retornar à normalidade democrática, ou algo próximo a isso.

Pelo menos por ora, a democracia representativa sobreviveu ao estresse provocado pelo trumpismo e pelo bolsonarismo, mantendo seus ritos e procedimentos. O trumpismo vem demonstrando certa capacidade de institucionalização. O bolsonarismo não.

Quem acompanha as rotinas legislativas percebe que por trás da gritaria e do lacre digital, os parlamentares bolsonaristas são atrapalhados, inábeis no trato com o regimento e com as rotinas do Congresso. A oposição que prometia inviabilizar o governo parece cada vez mais isolada.

O próprio Arthur Lira já se descola do bolsonarismo. O blocão criado em 12 de abril isolou o PL, que apesar de ter maior bancada do Congresso, está caminhando sozinho, o que é sempre perigoso, na política e na vida. O chefe Valdemar deve estar bem preocupado, e um tanto arrependido de algumas escolhas recentes.

A própria CPI se mostra uma grande trapalhada. A conspiração caricata com a CNN e a insistência na abertura da comissão evidenciam as dificuldades do bolsonarismo em ler adequadamente o texto da política institucional. Se o objetivo era culpar o governo pelo que aconteceu em 8 de janeiro, o resultado pode ser a aceleração da responsabilização penal de lideranças bolsonaristas, sobretudo Anderson Torres e o próprio Jair Bolsonaro.

O terraplanismo político pode até ser capaz de manter mobilizada a base bolsonarista nas mídias digitais, mas é frágil no campo da política institucional, onde o jogo do poder, de fato, acontece.

Sintoma direto da crise democrática em curso no Brasil e no mundo, o bolsonarismo tem seu calcanhar de Aquiles exatamente onde tem sua força.

O poder do lacre não é proporcional ao poder efetivo. Não deixa de ser boa notícia.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Jornalistas Livres

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Sítio de Ricardo Nunes em São Paulo fica em loteamento irregular

Prefeito de São Paulo tem 13 lotes em Engenheiro Marsilac, na APA Capivari-Monos, mas apenas quatro estão em seu nome; De Olho nos Ruralistas iniciou série sobre o poder em São Paulo, “Endereços”, contando que ele não tem o hábito de pagar o Imposto Territorial Rural