A culpa da fome não é da seca, da chuva ou dos alimentos

A enorme desigualdade social faz com que os mais pobres sejam mais afetados pela inflação do que a pequena parcela dos mais ricos

Por Renê Gardim

O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) anunciou recentemente que a inflação para a população mais pobre ficou 30% maior que a dos mais ricos em 2021. Isso não chega a ser surpresa. Mas exatamente como a inflação pode pegar muito mais quem ganha menos? É simples e trágico: a desigualdade no Brasil é tamanha que o nível de produtos consumidos pelas duas classes é impressionantemente diferente.

Além disso, o depauperamento da população brasileira, impulsionado pelo elevado desemprego e pelo desabastecimento provocado pela crescente exportação de alimentos, tem feito com que o peso da comida seja cada vez maior no orçamento dos mais pobres.

Ou seja, a cesta de consumo dos mais ricos é muito mais completa, pois eles podem usar o dinheiro para comprar bens, fazer viagens aéreas, manter automóveis e bancar seu lazer. Assim, tudo depende da sua cesta de consumo. Apesar de todos os itens terem a mesma variação para todas as faixas de renda, o peso muda conforme o salário mensal.

Se considerarmos apenas a cesta básica calculada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos),  em São Paulo, que é composta por carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga, e custa R$ 713,86, a diferença fica mais clara. O valor desta cesta básica representa 58,89% do salário mínimo, que está em R$ 1.212 neste ano, sobrando apenas R$ 498,14 para quem só ganha o mínimo por mês.

Grande parte dos trabalhadores formais recebe este valor. Já trabalhadores informais, nem isso. No entanto, uma família que tem uma renda de R$ 20 mil, por exemplo, compromete 3,5% do valor, restando R$ 19.286,14 no mês. Isso é apenas um exemplo. Certamente esta família irá gastar mais com alimentação e de melhor qualidade e variedade. Mesmo assim, resta o suficiente para moradia, educação e lazer. O mesmo não dá para dizer das famílias mais pobres.

É preciso lembrar que uma renda de R$ 20 mil não coloca essa família no topo da pirâmide social, onde estão os verdadeiramente ricos e que até mesmo ganham com a inflação. Esses são os milionários e, acima deles, os bilionários. Algo inimaginável para quem está na base da pirâmide sustentando os demais.

Só para fazer mais um exercício de comparação, se uma pessoa tem R$ 5.000 e dá R$ 0,50 para alguém, doou 0,01% do seu dinheiro. Já um milionário com R$ 5 milhões que doa 0,01% do dinheiro que possui deverá entregar R$ 500. Já outro, este um bilionário, com R$ 5 bilhões daria para a outra pessoa R$ 500 mil. Estes são os motivos pelo qual a alta de alimentos, que aliás estão “sobrando” no Brasil, impacta muito mais profundamente os mais pobres. Afinal, enquanto uns têm demais, outros não sabem se terão o que comer amanhã.

COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

Helena Silvestre - Notas sobre a fome

Notas sobre a fome

O Café com Muriçoca de hoje traz uma resenha literária de “Notas sobre a fome”, de Helena Silvestre, além de reflexões sobre a virada do ano no país e nas quebradas.

Cada um com sua prioridade

Já os mais pobres têm urgência. Sua sobrevivência depende de comida na mesa e o futuro governo precisa agir imediatamente, mesmo que seja obrigado a provocar um desarranjo no “mercado”

A máscara da caridade

O bolsonarista Cássio Cenali não foi nem original em sua crueldade: ele apenas emulou, de forma medíocre e rasteira, o que seu patrão faz em Brasília