#8M2022 ‘Pela Vida Das Mulheres’ em Cuiabá

Ato político escolheu praça onde ocorreu recentemente o estupro de uma menina de 14 anos em plena luz do dia
Fotos: Francisco Alves

Que o Brasil é um país extremamente machista governado atualmente por um presidente e ministros saídos diretamente da Idade Média quando se trata das questões de gênero, não é, infelizmente, nenhuma novidade. Os números ano passado, divulgados ontem pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública com base nos boletins de ocorrência registrados nos 27 estados, no entanto, são arrasadores: UM ESTUPRO A CADA 10 MINUTOS E UM FEMINICÍDIO A CADA SETE HORAS!!

Fotos: Francisco Alves

Nenhum estado está “bem na fita”, mas alguns conseguem ser ainda piores. Coincidência ou não, as regiões mais conservadoras nos “costumes”, onde grassa o falso moralismo e o agronegócio tomam a ponta desse ranking trágico. Mato Grosso, por exemplo, está no “top five” tanto em estupros quanto em feminicídios. Esse foi um dos motivos pela grande manifestação ocorrida hoje de manhã nesse #8M2022. E o lugar escolhido foi a Praça Rachid Jaudy, onde há exatamente um mês uma menina de 14 anos foi estuprada em plena luz do dia. O criminoso foi preso no mesmo local, no dia seguinte, depois de tentar violentar outra mulher.


Denominada “Ato Pela Vida Das Mulheres”, além da questão da segurança, chamou a atenção também para demandas como igualdade salarial e igualdade de oportunidades. As cruzes que as mulheres levavam foram em memória das mulheres mortas, vítimas de feminicídio. Iniciado às 8:00 da manhã, o ato percorreu nesta terça-feira várias ruas do centro da Cuiabá. Dezenas de mulheres cis, trans, lésbicas e bissexuais, negras, indígenas, quilombolas e brancas, jovens, velhas, mães e filhas levaram suas bandeiras de luta e seu amor, suas palavras de ordem e suas músicas para reafirmar que #MachistasFascistasNãoPassarão!

Veja a seguir outras imagens do ato feitas pelo fotógrafo Francisco Alves:


COMENTÁRIOS

POSTS RELACIONADOS

A luta feminista muito além dos novos normais

Feminismos convocam, em todo o mundo, manifestações e greves para retomar a potência dos encontros. Após dois anos de pandemia, e em meio à guerra, 8M amplia a brecha para lógicas pós-capitalistas do cuidado, partilha e circularidade

Marcha em São Paulo: tem gente com fome

Um ato com pessoas anônimas como Vânia, três filhos, desempregada e moradora da ocupação do MTST do Grajaú. Com ela, o osso contra a fome, que ela decidiu carregar até a fome acabar.

>