2019 desejante

Uma retrospectiva política de Natasja Garonne

por Natasja Garonne

*ilustrações por helio carlos mello – interversão e mixagem na obra de Caribé e Tom Zé.

– É que faz oito dias que não durmo na minha casa, por isso eu achei que poderia estar exagerando nos dates. 8 noites, 6 camas diferentes. Passei a tarde em casa para lavar a roupa e tal. Mas logo estou de saída de novo.

Era um dos meus amigos sendo super sincero. Será que estava exagerando? Será que estava tentando mascarar a fase ruim que vivemos em 2019, passando mais tempo dedicado à felicidade sexual das pessoas? Eu perguntei se ele achava que estava apenas consumindo sexo ou se estava realmente dando algo bom às companheiras. Ficou com a segunda resposta, cada uma com um jeito diferente de dar e receber prazer, boas conversas, pessoas que tem encontrado com frequência nesse último ano. Ótimo. Então, esqueça o socialmente estabelecido e distribua esse prazer, foi meu conselho.

Por isso fiz um balanço do que aconteceu em 2019 na minha própria vidinha mais ou menos. Foi o segundo melhor ano da minha vida sexual, e faz trinta anos que tenho uma. Não foram só caras diferentes e interessantes que me deram o prazer de ter prazer comigo. Foram as experiências mais radicais de experimentação não convencional de práticas – eu nem posso dizer “na cama” porque realmente não foram.

Será que estamos transando assim, como se não houvesse amanhã, para esquecer o bolsonarismo por algumas horas? Será que é assim que podemos suportar os dias em tudo está sendo destruído em termos de liberdades civis e direitos sociais? Será que é dando que a gente está conseguindo sobreviver à avalanche obscurantista de 2019?

Olha, estou convencida do contrário. Acho até que o bolsonarismo é uma reação bizarra e patética a uma transformação que vem vindo no vento. Os discursos histriônicos pela família convencional, rosa e azul, homem que é homem, mulher recatada, masculinidade violenta é que parecem tentar responder a nossos avanços. A preocupação dos dirigentes do governo brasileiro hoje é que os jovens não “virem gays”. Para que teriam que defender o que está estabilizado? Por que ser arauto de uma verdade que ninguém questiona? Se eles investem tanto em reforçar esses padrões é porque já estão amplamente questionados.

Enquanto uma parte da população mergulha num backlash obscurantista, repressor e numa caretice sem tamanho, o Brasil está aí fazendo golden shower, e isso o presidente percebeu como poucos. O presidente é o maior fiscal de cu da República no presente século. Mas o seu trabalho não está sendo tão fácil, ele revelou esses dias um enorme cansaço, porque eu acho que cu foi a palavra do ano.

No meu animado ano, passei a receber pedidos de parceiros hétero para explorar eroticamente o lugar que nunca toma sol. Comecei meio tímida, mas quando me dei conta, tinha virado uma espécie de rainha do pegging. Para quem não sabe, pegging é quando a mina pega o cara por trás, também chamado na nossa língua de “inversão”. Penetração mesmo, do feminino no masculino, por aquele portal sensível erótica e politicamente. Vale de um tudo, a depender do desejo e do consentimento: um dedo, dois dedos, um plug, um brinquedo, maior, maior, maior ainda, vai que eu aguento, sou homem, pô. Até que alguém me pediu um fisting. Alguém não, vários alguns, mais um estava na minha frente, já posicionado. Eu pensei, gente, acho que não vai rolar, imagina, eu? Mas o brasileiro não desiste nunca, e coloquei a mão inteira.

Sei que agora uma boa parte dos leitores teve uma reação corporal de defesa. Tipo oloko. E uma parte está procurando se tem meu email nos créditos.

Mas eu queria tentar comunicar que sou totalmente normal vivendo diferente. Tenho profissão exigente, sou casada, faço almoço de domingo, limpo casa, me depilo, organizo ceia de Natal, uso até aliança (estou vendo aquele ali que já se perguntou se estava com ela ou sem no momento do fisting). Não tenho tatuagem e faço luzes no cabelo. Mas no ano passado abrimos o relacionamento. E foi então que, tendo passado um tempo fora do mercado, voltei e o pegging estava na moda. Não só o pegging, mas todo tipo de fetiche. O brasileiro do escritório, da faculdade, do carro engarrafado na marginal. Meus amigos de esquerda. Meus peguetes Faria Limers. Não vou dizer que gente que votou 17 também, mas não duvido, embora a esses eu peça gentilmente, no texto do aplicativo, que não falem comigo. A geral está experimentando com o rabo. Curiosos a respeito de troca de papeis, dominação feminina, mulheres no comando.

Eu estou falando de gente careta, com identidade sexual hétero cis. Gente que tem filho, namorada. Gente que está nos aplicativos de encontro comuns, gente muito baunilha em quase tudo. Cada vez mais não monogâmicos, cada vez mais “mente aberta”, o que parece ser o código para a prática. Tem os que chegam com “Olha, eu não quero fazer isso todo dia, mas eu te achei uma pessoa bacana, eu queria experimentar”. Tem os “Já pedi para minha namorada, mas ela ficou muito tímida, eu queria experimentar direito. Você tem uma cinta?”. E tem os que já me chamam de Rainha.

Você nem sabe, mas capaz que encontrou seu colega de escritório ou o pai do coleguinha da escola do seu filho usando um plug anal por aí, no banheiro da firma ou no supermercado, como parte de um jogo de erotização que não pertence mais só a um segmento muito escondido e a comunidades discriminadas.

Também tenho visto os nossos filhos. Eu não tenho filhos, mas vocês têm. E eles estão na idade de descobrir, não é? Tentamos entender se nossos filhos são hétero ou LGBT, mas estamos levando um tempo enorme para entender. E a frase do ano, nesse sentido, eu ouvi de uma estudante da faculdade: “Briguei com a minha mãe porque ela quer que eu diga se eu sou lésbica ou não. Para que eu tenho que saber dizer isso?”

O monitor de uma das minhas turmas na faculdade fez o inventário desejoso da sala. Pegava este, aquele e o outro, e esse aqui já mandou um inbox. Eu disse que era para parar com isso, monitor não pode ficar misturando as coisas. Ele ficou mal ao perceber que eu tinha razão. Aí, para dar uma descontraída, eu comentei “mesmo porque esse aqui eu acho que não é gay”. Ele me olhou com cara de quem está explicando para a tia avó como faz para usar os recursos do celular. “Não tem isso não, adoro pegar hétero”. Então, no mínimo uns dez anos defasada nas minhas concepções de sexualidade, eu estabeleci que só podia pegar depois que acabasse o semestre.

Ainda nesse ano que termina, soube de alguns casais de amigos que abriram o relacionamento. Coisa que a gente não conta para todo mundo. Mais um campo de experiências intenso, prazeroso e dolorido. Aqueles amigos que fui à festa de casamento e dancei flashback, com óculos amarelo e boá de carnaval. Então, agora os dois filhos já cresceram um pouco e o cachorro está velhinho, estão tentando coisas novas. Descobri que tem grupos no facebook, aplicativos, redes abertas, redes fechadas. Gente indo junto aos encontros de swing, gente mantendo contas ativas nos aplicativos. Duas séries do Netflix fizeram sucesso na classe média branca que está tentando escapar daquela família que já não cola mais: Eu, Tu e Ela e Wanderlust. Foi por comentários meus sobre essas séries que alguns amigos vieram inbox dizer que também estavam nessa.

Lembrei do livro do Zuenir Ventura sobre 1968, em que abre a narrativa contando de divórcios improváveis se sucedendo como dominó. Algo implodia nos valores repressores da vida privada em termos mundiais, às vésperas de tudo se tornar enormente repressivo na vida pública do país. Parece que as pessoas estavam reagindo a algo, de modo individual, porém simultâneo.

E eu tive a impressão de ter vivido algo parecido em 2019. Cada um com seu cu, fazendo parte de um movimento de desconstrução mundial da interdição sobre a qual se assentou a masculinidade moderna: homem é o que penetra e nunca é penetrado.

Eu sei que muita gente vai dizer que isso não significa nada, é só olhar a corte bon vivant de Maria Antonieta às vésperas da Revolução Francesa. O que faz revolução é fome, não é cu de homem. É, está certo. Mas a libertinagem, como valor da aristocracia, foi uma das principais correntes de crítica dos valores privados burgueses, elevados a política de Estado na época vitoriana.

E a normalização do divórcio como uma prática aceitável foi um dos marcos mais importantes na luta pela conquista de direitos civis pelas mulheres no século XX. Se muita gente abre a relação ao mesmo tempo, estamos deslocando e ampliando o sentido de ser um casal e formar uma família, assim como a concepção de posse do corpo e do desejo do outro envolvida nos valores do casamento.

Penso hoje que os reacionários também percebem o que estamos fazendo mais ou menos escondido, na esteira de um pequeno orifício aberto pelo feminismo e pela luta LBGT. Estão nervosos e agressivos. Percebem que as coisas estão mudando rápido no plano das relações entre os gêneros e com o gênero. Está mudando a experiência de muitos casais hétero. Enquanto os reacionários interditam, nós liberamos.

Talvez, tão importante quanto multidões gritarem para Bolsonaro ir tomar lá como forma de expressar desaprovação à sua política repressiva e retrógrada, seja começar a destruir na prática os fundamentos dessa masculinidade agressiva fascista. De todo modo, transar diferente ou gritar na rua, sozinhos, não serão suficientes para sustentar as transformações que queremos no mundo. Vai ser preciso lutar em todas as frentes. E também atrás. Eu quis registrar que começamos de vários lados.

  

Natasja Garonne, blogueira e Domme, escreve no blog Rapport de Dra. Natasja

Categorias
ArtigocrônicaDestaquesGeral
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish

Relacionado com