Meu primeiro amor” só pode acontecer se for hétero?

Quem não lembra do filme "Meu primeiro Amor" sucesso da “Sessão da Tarde”? As pessoas achavam fofa a história de crianças de 12 anos em sua primeira paixãozinha. Era lindo porque era um menino e uma menina

Por Marcio Anastacio para os Jornalistas Livres

Quem não lembra do filme “Meu primeiro Amor” sucesso da “Sessão da Tarde”? As pessoas achavam fofa a história de crianças de 12 anos em sua primeira paixãozinha. Era lindo porque era um menino e uma menina.

Durante estará semana circulou fortemente um vídeo de dois meninos dando um beijo no aniversário de um dos dois. Eles têm 13 e 14 anos, mas o que chama atenção para nós, não é a idade deles, mas o fato de como estão usando essas imagens para atacar a população LGBT.

Antes de qualquer pessoa querer julgar o fato, é necessário debater sobre uma sociedade hipócrita estruturada no machismo onde os pais perguntam aos meninos, antes dos 10 anos de idade: Você já está namorando? E os cobram essa resposta.

A mesma sociedade que se choca com o beijo de dois meninos de 13 e 14 anos não se espanta ao saber que é costume em alguns lugares do Brasil um pai levar o filho para um Cabaré (nome dados a casas de prostituição no Nordeste) para fazê-lo perder a virgindade com prostitutas, já aos 12 anos, mesmo contra a sua vontade.

A sociedade conservadora, moralista e hipócrita não nos serve. Eu já fui uma criança viada, meus amigos começaram a descoberta da sua sexualidade aos 12 anos, outros um pouco mais tarde, como eu. Nessa idade todos e todas não querem mais ser Boca Vigem (BV). Isso não atingiu o nosso psicológico. O que destrói a nossa saúde mental é a LGBTfobia cotidiana.

Para a direita conservadora, todo dia é dia para jogar pedra na população LGBTs, mas nos “somos muitos, não somos fracos” e não iremos recuar na conquista de direitos e no diálogo pedagógico com a sociedade para tratar temas vinculados as nossas pautas.

Márcio Anastacio. Jornalista e Bicha nordestina

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
ComportamentoDireitos HumanosLGBT

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

3 comentários:
  • Pedro Henrique (@_Phrsilva)
    23 novembro 2017 at 15:56
    Comente

    Homofobia nada tem haver com direita ou esquerda…

  • Pedro
    24 novembro 2017 at 2:52
    Comente

    Achei a analogia interessante mas o texto em si é fraco. Esperava mais.

  • Maria Rosária
    24 novembro 2017 at 8:51
    Comente

    Uhulllll!!!!👍👏👏👏👏👏👏👏👏👏

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish