ENEM 2017: conteudista, exaustivo e excludente

Por Agnes Cruz de Souza e Rogério de Souza, especial para os Jornalistas Livres

Desde 2009, quando o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) foi reformulado e tornou-se instrumento para o ingresso nas universidades e institutos federais do país, sua prova passou a ser mais conteudista se comparada às experiências anteriores. Neste ano não foi diferente, observando-se o primeiro dia de prova (05/11/2017).

Várias questões exigiram domínio de leitura, interpretação, capacidade de relacionar assuntos e o conhecimento contextualizado, tal como preconiza as orientações do exame. Muitos itens da disciplina de História tiveram nos textos âncoras para uma cobrança interpretativa das questões. Sociologia e Filosofia contaram com uma menor presença de perguntas que nas provas anteriores, embora com temas já conhecidos cobrados no certame (democracia, diversidade, moralidade, mundo do trabalho, liberdade, direitos, cultura, etnia, tecnologia, arte, participação da mulher na política, judicialização da política). No entanto, muitas questões demandaram conhecimentos específicos, especialmente nas áreas de Geografia e Filosofia, conforme selecionado abaixo:

Questão 54 da prova amarela.

Essa tendência, acentuada este ano, aproxima o ENEM dos vestibulares conteudistas como o da FUVEST para o ingresso na USP. Com isso, aqueles estudantes que tiveram melhores condições socioeconômicas e familiares para a preparação (estudaram em boas escolas e foram incentivados e auxiliados pelos pais), largaram na frente e certamente fisgarão as vagas dos cursos mais disputados, especialmente medicina, direito, arquitetura, engenharias, administração, etc. Mesmo o tímido sistema de cotas (50% das vagas destinadas aos egressos da rede pública de educação básica) não consegue dirimir tal injustiça persistente no sistema educacional brasileiro: os filhos das classes populares cursam a educação básica na precária escola pública (com raríssimas exceções), porém, muitos não atingem a nota mínima para ingressar nos cursos mais concorridos.

Prova exaustiva

A escolha do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) em dividir a aplicação do ENEM em dois finais de semana foi acertada e dialogou, de certa forma, com os resultados da consulta pública realizada no início do ano acerca da aplicação da prova (63,7% optaram pela mudança do exame para dois dias e 42% pela aplicação em dois domingos). Resolver 180 questões e elaborar uma redação em um período de 24 horas é insano e antipedagógico. Contudo, estabelecer que no primeiro dia os estudantes respondessem as questões de Linguagens e seus Códigos, Ciências Humanas e suas Tecnologias e produzissem uma redação, não se mostrou uma boa escolha. Aliás, esta não fez parte da consulta pública e ficou por conta da burocracia e dos técnicos do MEC, que, sem sensibilidade para se colocar no lugar dos estudantes, entenderam que mudar o texto dissertativo-argumentativo para o primeiro dia seria uma medida acertada. Muitos participantes saíram da prova reclamando de cansaço mental devido às leituras extenuantes dos enunciados dessas duas áreas de conhecimento.

Na seção de Linguagens, os textos de apoio foram bem selecionados e diversificados (embora os de língua estrangeira fossem longos), no entanto, a leitura destes somada às questões de Ciências Humanas fatigaram os participantes prejudicando a feitura da prova. Pedagogicamente inadequada, a estratégia prejudica o desempenho cognitivo dos estudantes, um dos preceitos do exame nacional.

Redação com tema específico

Desta vez a redação não provocou a gritaria conservadora dos últimos anos, acusada de esquerdista, progressista e feminista. O tema escolhido insere-se no campo da inclusão, da invisibilidade social e trata de problemática pertinente à realidade brasileira. No lugar, entretanto, de discutir a inclusão do deficiente no sistema educacional brasileiro ou na sociedade de maneira geral, optou-se por indicar um assunto específico, raro em muitas licenciaturas do Brasil e comum apenas no segundo ou terceiro ano da graduação em Pedagogia. Assim, a nova banca do ENEM errou em exigir esse grau de conhecimento dos estudantes do Ensino Médio, não pela falta de importância da discussão, mas pela especificidade temática, pouco discutida, apesar de vivenciada e envolta em inúmeros problemas nas escolas do país.

Novos / velhos rumos do ENEM

Criado em 1998 e apresentado pelo MEC como auxiliar da escola para a construção do conhecimento do aluno, o ENEM surge num contexto internacional de valorização das avaliações padronizadas atreladas às políticas de responsabilização. O objetivo inicial do exame era a avaliação das competências e habilidades desenvolvidas pelos estudantes do Ensino Médio. Assim, a prova tinha como concepção ser um instrumento para mudanças curriculares, de acordo com o ideário de um mundo em transformação. Para isso, não exigia conhecimentos específicos e “decorebas”, recorria a interpretação, raciocínio lógico, conhecimentos contextualizados, interdisciplinaridade, etc.

Desacreditado no início, o seu crescente sucesso levou muitas escolas a adotarem os seus eixos/áreas de conhecimento como referência. Com a transformação do ENEM em “instrumento funil” para ingressar no ensino superior público, essa prática se generalizou e hoje não encontramos muitos estabelecimentos de Ensino Médio que não se estrutura a partir do exame nacional.

No entanto, o estilo do exame teve seus objetivos modificados ao longo do tempo e passou a ser uma grande estratégia no que diz respeito à “indústria” de escolas e cursinhos particulares e sistemas de ensino apostilado. Assim, criou novas demandas de conhecimentos por meio da avaliação nacional, induzindo uma transformação nos estabelecimentos escolares brasileiros, isto é, o ENEM se vestibularizou.

Em outras palavras, o Exame Nacional do Ensino Médio metamorfoseou-se em uma prova que beneficia os estudantes que têm o “privilégio” de cursar escolas que recorrem aos sistemas apostilados e decorebas, que não precisam trabalhar durante o período da educação básica e recebem estímulos familiares para “vencer” através dos estudos. Portanto, o ENEM transformou-se em uma prova excludente e que se distancia cada vez mais da realidade escolar do país, desigual e para poucos.

Agnes Cruz de Souza, professora no IFSP.

Rogério de Souza, professor no IFSP.

Categorias
Educação
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish