AS MANAS, AS MINAS E AS MONAS SE REÚNEM PELA VISIBILIDADE FEMININA ATRAVÉS DA ARTE

A edição mais recente aconteceu na última quinta-feira, 19 de outubro, com muita arte, amor e respeito

DJ Raquel no Sarau das Manas

Uma vez por mês a praça Bento Quirino, localizada no centro de Campinas (SP) recebe o “Sarau das Manas”, o público ocupa as mesas dos bares para ver as apresentações artísticas.
Aline, 22 anos, constata: “ É bom ver as garotas se apresentarem em local público acessível a todos”, Luiza, 26 anos completa; “ Tomamos a nossa cerveja curtindo ótimas apresentações. Lugar de mulher é onde ela quiser estar. Cantando, tocando, ou apenas tomando a sua cerveja”.
No Sarau das Manas as mulheres são as protagonistas, são elas que fazem toda a produção desde os alvarás até a parte técnica de som e iluminação, a grade de programação, estão na frente do microfone ou atrás da mesa de discotecagem.
A Dj Raquel tem comandado a arte das mixagens.
Surgido em dezembro de 2016, o Sarau das Manas contribui para o empoderamento feminino nas artes por meio do protagonismo das mulheres. O Sarau é um mecanismo de visibilidade instrumentalização das mulheres pois a produção e sustentação do evento é exclusivamente feminina.
Escritoras, dançarinas, cantoras, instrumentistas, produtoras, jornalistas, jongueiras, sambistas, DJ e articuladoras do movimento hip-hop são algumas das frentes artísticas presentes no sarau.
A Mc Nega Maay ressalta a importância do fortalecimento da cena da arte, do RAP e da poesia, a Mc Mina Min acrescenta que “ os homens são bem-vindos sim, estão convidados a vir assistir. É tudo democrático e com respeito, só que o microfone é das mulheres, somos nós mulheres que temos que ter nossas vozes ouvidas e a cada dia conquistar o nosso espaço”.
Participam da rede de realização do Sarau das Manas; Coletivo Aos Brados Campinas , Comunidade Jongo Dito Ribeiro , Coletivo de Mulheres Negras Lélia Gonzalez , Quilombo Urbano O.M.G. , Associação de Promotoras Legais Populares CIDA DA TERRA de Campinas e Região, Frente de Mulheres Negras de Campinas e Região, “AsMinaÉZika”, Coletivo TransTornar, Coletivo NINA e Estúdio Jabuticaba.

DJ Raquel no Sarau das Manas

A cantora e compositora Marilia Correa solta a voz no Sarau das Manas

Por Fabiana Ribeiro

Categorias
CampinasCidadesComportamentoCulturaDireitos HumanosFeminismomulheresMulheres lésbicasmulheres negrasVoz das Periferias
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish