ALDEIA DOS TUCUNS

a luz noturna dos Yawalapiti

É noite ainda na aldeia e no círculo de suas grandes casas, sem divisões, o fogo aquece enquanto o céu indaga. Se no mito Yawalapiti foi na fumaça do tabaco assoprada sobre toras de madeira que se fizeram os homens, na noite o silêncio ocupa o imaginário e os cachorros vigiam.

Nós, os caraíba, embalamos sonhos, enquanto os warayo (índios) no sono se refazem.

Os índios Yawalapiti moram à boca do rio Tuatuari, no encontro com o rio Kuluene. Karl von Steinen os viu ao final do século XIX, vagando. No Xingu, entre mitos, resistem e fortalecem os povos originários. Entre tantos escândalos no país, aqui é ordem o frio que amanhece entre a leve bruma que envolve.

Após tempos difíceis, por décadas de ameaças, estão fortes, estão belos. Entre suas alianças com outras etnias, atualmente a grande aldeia mostra seu vigor entre Kuikuro, Waujá, Kalapalo, Mehinako e Kamaiurá.

Mais uma noite passa na aldeia serena, muitos já foram pra roça, outros seguiram para pescar. Os povos indígenas do Brasil na terra antiga acalmam nossa fúria. Prosseguimos.

Categorias
ensaioÍndios
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish