O SUS não é mercadoria! Ato em SP defende saúde pública

Protesto reúne profissionais em São Paulo em defesa da saúde pública e da aposentadoria
MARLENE ODIANDO O TRUMP

Por Marina Azambuja, especial para os Jornalistas Livres

No dia 7 de abril comemora-se o “Dia Internacional da Saúde”. A data é marcada por palestras e campanhas de prevenção, cujo objetivo é conscientizar a população sobre doenças que afetam todas as nacionalidades. O tema escolhido pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para 2017 foi a Depressão, transtorno silencioso e grave que é cada vez mais presente no cenário global e ataca todas as faixas etárias podendo ser responsável por desencadear outras patologias e até levar ao suicídio.

Porém, na capital paulista o dia 07 também é marcado pela oposição às medidas do Governo Federal que aprovou cortes orçamentários que congelam gastos públicos por 20 anos, além das privatizações da saúde no Brasil e na capital paulista e da reforma da previdência. A plenária municipal de saúde de São Paulo, realizou nessa sexta-feira o ato “O SUS não está à venda”. O manifesto apoiado por profissionais como médicos, enfermeiros, farmacêuticos, assistentes social contou com a presença de representantes e membros de entidades sindicais, diretórios de saúde e vários movimentos sociais que foram às ruas em defesa da democracia, e contra o desmonte do SUS. Durante o ato, foi reforçado o convite para a greve geral que vai parar o Brasil no dia 28/04.

Os deputados Ivan Valente (PSOL), Carlos Neder (PT), e a vereadora Juliana Cardoso (PT) compareceram e discursaram a favor do Sus.

Neder declarou que “Não aceitaremos nenhum direito a menos.” e Ivan Valente chamou:”no dia 28 vamos à luta. Viva o sistema único de saúde. Saúde é um direito constitucional.”
A intervenção artística ficou por conta do grupo de hip hop “A Família”, fanfarra e bateria.
Após os pronunciamentos os manifestantes caminharam, cantaram e seguiram a canção “Vai sacudir, vai abalar quando o povo acordar. Saúde para o povão aqui não tem otário não”, do Theatro Municipal até á a Pça do Patriarca, onde encerraram o ato.

O SUS

Graças a constituição de 1988, foi implantado o Sistema Único de Saúde, que tem como propósito oferecer recursos desde campanhas de conscientização até cirurgias e tratamentos de câncer gratuitos aos brasileiros de todas as classes sociais.
Apesar das adversidades, os métodos e infraestrutura do sistema público de saúde destacam-se mundo a fora. Segundo o Banco Mundial, o SUS é referência internacional por apresentar seguimentos e projetos fundamentais para a redução da mortalidade, erradicação de doenças e atendimento integralmente gratuito em todas as regiões do Brasil.
Os manifestantes criticaram o governo Temer, Alckmin a gestão do prefeito João Dória que estão detonando as políticas públicas do Brasil enriquecendo grandes indústrias.
“… promovem o desemprego, transformando a saúde pública em negócio lucrativo para os hospitais privados.” Trecho da carta sobre o do mundial da saúde emitida por profissionais de São Paulo.

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Categorias
Geral

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.

Um comentário
  • O SUS não é mercadoria! Ato em SP defende saúde pública | Jornalistas Livres | BRASIL S.A
    7 abril 2017 at 20:16
    Comente

    […] Fonte: O SUS não é mercadoria! Ato em SP defende saúde pública | Jornalistas Livres […]

  • Deixe uma resposta

    AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish