Escola da Vila e a luta em defesa de seu patrimônio pedagógico cultural

“A Escola da Vila é uma escola privada com história pública.” (mãe de aluno) A quadra da Escola da Vila Morumbi não teve futebol, nesse sábado (11). Pais e...
Final da reunião de pais e mães na Escola da Vila em 11/03/2017

“A Escola da Vila é uma escola privada com história pública.” (mãe de aluno)

A quadra da Escola da Vila Morumbi não teve futebol, nesse sábado (11). Pais e mães dividiram a quadra com professoras, professores, funcionárias, funcionários, ex-alunas e ex-alunos. Eram cerca de 80 pessoas, mobilizadas em defesa de algo muito maior do que uma mera escola privada. Discutiam estratégias para preservação de um patrimônio cultural pedagógico cuja importância ultrapassa, para muito longe, os muros da escola. Alinhavam lutas para manter o projeto político-pedagógico que os levaram a buscar a escola. Debatiam modos para resguardar o Centro de Formação, que vem disseminando conhecimento e inovação, entre professoras e professores das redes pública e privada de ensino, há 37 anos.

Capa do livro comemorativo de 30 anos da Escola da Vila, em 2010

Uma comissão para defender “a escola que a gente quer”. (professor)

O grupo de professores e professoras também foi surpreendido com a venda da escola. O grupo, que tem o apoio de 82% do corpo docente da escola, reuniu-se pela manhã com os novos sócios e antigas sócias da escola. Concordaram com a constituição de uma comissão permanente para discutir as condições de trabalho e proteger qualidades distintivas da Escola da Vila como o projeto político-pedagógico, o construtivismo e a diversidade.

“Educadores têm na Vila uma inspiração.” (mãe de aluno)

As reuniões, que vêm acontecendo em diversos âmbitos, com e sem a presença de representantes dos sócios da escola, decorrem da venda de 80% da escola para uma holding, a Bahema S. A., caracterizada por investimentos no mercado de capitais, por não possuir qualquer tradição em educação e por ter diretores simpatizantes de movimentos de extrema direita, como o MBL.

A indignação dos pais não pode ser reduzida simplesmente a “ideias diferentes das pregadas pela Escola da Vila”, como afirmou matéria da Folha. “Trata-se, ao contrário, de entender a Educação como espaço pedagógico de debate onde caibam, de fato, ideias diversas que, sobretudo, respeitem os direitos humanos universais. Isso sim, é bem diferente do que se viu na mesa do Fórum Liberdade e Democracia (sic) presidido por Guilherme (Affonso Ferreira Filho), em outubro do ano passado, quando, aliás, as negociações com a escola já tinham se iniciado”, salientou uma da mães de aluno (na nota 5 está a íntegra das respostas ao jornal).

Parte do prefácio de Zélia Cavalcanti, em 30 Olhares para o Futuro

“Não estamos defendendo o que queremos da escola, mas o que ela é.” (pai de aluno)

Vários pais e mães refutaram a tentativa de desqualificar a discussão, transformando-a em um “Fla-Flu”, um debate entre direita e esquerda. “Há, em curso, tentativas de desqualificar os interlocutores pela partidarização do debate”, afirma um pai. As mobilizações, no entanto, buscam manter as características de diversidade, pluralidade e formação crítica que vêm desde a fundação da escola em 1980. O temor é pelo aparente encantamento dos novos sócios pelo projeto Escola sem Partido, embora tenham passado a negá-lo após a compra da escola.

“Assim como as orquestras estão sendo destruídas, o patrimônio pedagógico cultural da Escola da Vila é muito simples de ser destruído.” (pai de aluno)

Na última parte da reunião, foram acordadas as próximas ações e formadas comissões jurídica e de mobilização e comunicação. Um abraço à Escola da Vila Butantã está programado para o dia 29/03, às 13hs00.

Notas

1 Para saber mais sobre a negociação da Escola da Vila com a Bahema S. A. veja: https://jornalistaslivres.org/2017/02/escola-da-vila-e-vendida-a-simpatizante-do-mbl/

2 Isabel Alarcão é autora de Professores reflexivos em uma escola reflexiva. Editora Cortez, 2003.
Para ver o texto completo: http://www.vila.com.br/html/outros/2010/30_anos/pdf_30/30_textos/15_isabel.pdf

3 Para ver os 30 textos comemorativos do 30 anos da Escola da Vila em 2010: http://www.vila.com.br/html/outros/2010/30_anos/

4 Para saber mais sobre o projeto Escola sem Partido: https://jornalistaslivres.org/2016/11/escola-cidada-e-escola-sem-partido2/

5 Seguem as respostas encaminhadas, por um grupo de pais e mães, às perguntas formuladas pelo jornal Folha de São Paulo.

Resposta às perguntas enviadas por Érica Fraga e Paulo Saldaña, da Folha de São Paulo

1- Quando os pais foram informados sobre a venda da Escola da Vila (assim como as negociações com as demais escolas) para o grupo Bahema?

Os pais e mães receberam a notícia pela mídia. Os sites que acompanham o mercado divulgaram o Fato Relevante emitido pela Bahema em 14 de fevereiro, após às 18 horas e tivemos acesso a essas reportagens no dia seguinte por compartilhamento em grupos do Facebook e WhatsApp.

Esses textos jornalísticos (Valor Econômico, Isto é Dinheiro, Exame), em que predomina vocabulário financeiro, forneciam informações técnicas sobre o acordo: 80% da Escola da Vila haviam sido vendidos ao grupo Bahema e os restantes 20% constavam de um compromisso de venda a ser exercido no período de três anos.

Nos dias que se seguiram foi divulgada uma carta dos funcionários e professores e soubemos que:

  • os professores receberam a comunicação da nova composição acionária da escola no mesmo dia 14 de fevereiro, por anúncio da diretora geral, que os informou de maneira genérica, sem revelar o comprador, nem a porcentagem que coube aos novos sócios;
  • os funcionários do setor administrativo foram informados, uma semana depois, agrupados por segmentos.

No dia seguinte à notícia, uma mensagem foi enviada por e-mail, pela escola, aos pais e mães, com uma comunicação sobre a “nova composição acionária”.

Apenas na sexta-feira, dia 17 de fevereiro, a escola enviou mensagem às famílias com uma agenda de reuniões entre a direção e os pais e mães, em que apresentariam a carta de intenções dos gestores da Bahema, agora sócios majoritários da Escola da Vila. A agenda era longa, iniciando em 20 de fevereiro e terminando em 16 de março, dividida pelas três unidades (Butantã, Morumbi e Granja Vianna) e grupos de pais e mães, turmas e períodos.

2- Como a notícia foi recebida por vocês?

Primeiro com indignação e susto. Não havia qualquer notícia sobre negociações em curso envolvendo a escola. Estávamos há duas semanas em aulas.

Depois com preocupação. A partir daí inúmeras perguntas passaram a ser formuladas pelos pais em grupos do Facebook, sendo que a maioria trazia o seguinte questionamento: Como a mudança poderia impactar o Projeto Político Pedagógico (PPP) da Escola?

A partir do compartilhamento de informações entre um grupo de pais e mães, passamos a uma fase de revolta. Tornou-se claro o desalinhamento entre as ideias defendidas publicamente por diretores da empresa Bahema e os valores que sustentam o PPP da Escola da Vila.

Pode-se conferir isso no debate promovido pelo diretor financeiro da Bahema, Guilherme Affonso Ferreira Filho, em um dos painéis do Fórum Liberdade e Democracia, em 2016 (https://www.youtube.com/watch?v=nhHuJE6xos8). Nesse painel são defendidas ideias de educação completamente contrárias ao que se desenvolve na Escola da Vila em seu PPP, com propostas e visões contraditórias à nossa escolha de escola para nossos filhos e filhas, como as elencadas a seguir:

  • Extinção das disciplinas de humanidades, como Sociologia, Filosofia e Geografia;
  • Professor como aliciador de crianças para trabalho no sindicato;
  • Ensino como transferência de conteúdos, contrário à essência do construtivismo da Escola da Vila, em que se preza pela produção e construção de conhecimentos;
  • Extinção ao pensamento crítico;
  • Paulo Freire, um dos educadores de referência da pedagogia libertária e com o qual se alinha a proposta pedagógica da Escola da Vila, adjetivado como “lixo”, alguém que seria reprovado “se fosse aluno” de um dos “debatedores”.

Além das ideias propaladas no Fórum, as informações que foram sendo compartilhadas por vários pais e mães no grupo do Facebook sobre a vida pública e pregressa da família Affonso Ferreira, principalmente sobre o ativista de educação Guilherme Affonso Ferreira Filho, acenderam um alerta generalizado em toda comunidade da escola.

Muito difícil de entender, por exemplo, que um evento anual patrocinado pelo instituto em que ele era presidente, no qual especialistas se reúnem para discutir questões relacionadas com diversos assuntos contemporâneos, sejam organizados painéis como:

  • “O que queremos ser quando crescermos? Debate sobre a educação em um modelo de sociedade aberta” para o qual foram convidados como “especialistas” (em educação?) Adriano Gianturco (professor de Ciência Política do IBMEC-MG), Joel Pinheiro (responsável pela comunicação do Partido Novo), Arthur do Val (criador do canal “Mamaefalei”) e como moderador Julio Lamb.
  • “A Sociedade Aberta: qual o papel do estado para chegarmos lá” em que estiveram presentes Jair Bolsonaro (deputado federal eleito pelo Partido Progressista), Ana Amélia Lemos (senadora pelo Partido Progressista), Fábio Ostermann (coordenador nacional do MBL) e, como moderador, Hélio Beltrão (fundador do Instituto Mises Brasil).

Nas respostas de representantes da Bahema, ao ser inquirida nos encontros com os pais e mães sobre essa “iniciativa”, a resposta foi padrão: de que não representa o pensamento do Grupo Bahema e que os organizadores buscam que o debate seja “plural”.

No entanto, esses painéis, que compunham o Fórum realizado em 22 de outubro de 2016, época que coincide com o período em que as negociações com a escolajá estavam em curso., são os que particularmente preocupam a comunidade de pais e mães. Alguns de nós, com muita disciplina e abnegação, assistimos inteiramente aos dois painéis e compartilhamos informações e impressões entre o grupo, o que fez aumentar o nível de apreensões, diante da total falta de pluralidade e qualidade que marcaram tais debates. Obseve-se que entre os debatedores sobre Educação não há nenhum educador.

Não foram apenas os painéis que, nesse primeiro momento, provocaram a incredulidade em relação ao grupo comprador. Soube-se que, em um fato relevante de outubro de 2016, a Bahema anunciou ao mercado financeiro o interesse em investimentos em educação básica. Portanto, as negociações com a escola, naquele momento, já estavam em curso. Em 14 de fevereiro de 2017, novamente “o mercado” havia sido o primeiro a saber da venda.

Houve, na visão de muitos, a quebra de um contrato de confiança entre os pais e mães e as diretoras da Escola da Vila. O “mercado financeiro” havia preponderado sobre o relacionamento com os pais e mães que, para muitos de nós, se construiu ao longo de décadas. A informação de que a operação, por regras e normas impostas às empresas que negociam em Bolsa de Valores, deveria obedecer ao sigilo, não nos confortava. Tampouco nos convenceu.

A “operação” envolvia a negociação com três escolas: Escola da Vila (EV), em São Paulo, Escola Parque (EPq), no Rio de Janeiro, e Balão Vermelho (BV), em Belo Horizonte, “com nítidas afinidades filosóficas e pautadas em teorias de educação contemporâneas” que se “reúnem em sólida parceria” (trecho do e-mail enviado aos pais e mães, subscrito pelas diretoras da escola, disponível no blog da EV). Parece irônico que uma “sólida parceria” envolva uma escola (a BV) que ainda nem foi comprada.

Na data do fato relevante (14/02/2017), as operações/negociações com as três escolas estavam em momentos diferentes, de forma que com a Escola Parque foi concluída apenas em 2 de março e com a Balão Vermelho a negociação ainda se encontra em curso, motivo pelo qual nos indagamos: Por que não havíamos podido saber sobre as negociações antes de concluídas, se a comunidade das outras duas escolas soube antes da conclusão das negociações?

Assim, a fase seguinte foi de sentimento de irrelevância, insignificância e aprisionamento, um sentimento de que não podíamos mais controlar nossas escolhas, de pais mães, , quanto ao futuro da escola que havíamos escolhido para nossos filhos e filhas: Por que não avisaram em um período do calendário escolar que permitisse aos pais e mães, caso assim julgassem melhor, procurar por outras escolas?

Nosso sentimento é de que esta foi uma estratégia para conter a evasão. E, como o número de matrículas está relacionado a metas de transição, implicou, mais uma vez, na quebra da relação de confiança estabelecida entre a direção da escola e a comunidade de pais e mães, uma vez que a contenção da evasão implica em ganhos financeiros para os vendedores da escola.

A fase final foi de luto. Parecia, novamente para a grande maioria de pais e mães, que a forma como aconteceu a venda já era um forte indicativo do fim da EV como nós a conhecemos. Veja, a escola continuará viva por algum tempo, em seu legado pedagógico cultural, enquanto o corpo docente e de funcionários for mantido, e enquanto lhes for garantida a autonomia em suas práticas pedagógicas. Mas seu maior patrimônio, consubstanciado em um Projeto Político Pedagógico único e inovador, que não é financeiro e, portanto, não deveria se submeter às regras do mercado, agora havia sido “negociado” na forma da venda da “marca”. E, mais, essa dinâmica foi imposta de maneira autoritária a toda a comunidade escolar. EV nunca funcionou assim de maneira autoritária, nem em sua relação com os alunos, nem com a comunidade escolar, sendo que o diálogo e o compartilhamento de seus projetos com pais e mães sempre foi a principal razão da sua existência.

Mas o que é essa marca? São os professores e corpo técnico administrativo, pais e mães, alunos e alunas, ex-alunos e ex-alunas. A escola é a sua comunidade e a sua história. Esse capital intelectual e humano havia sido “precificado” pelo mercado e vendido. E, nem antes nem depois da operação, as atitudes dos atuais gestores e sócios majoritários demonstravam respeito a esse patrimônio (que não é líquido, nem contábil), o que, se houvesse ocorrido, talvez poderia nos dar alguma segurança (mesmo que sujeita a uma certa assunção de risco) de que o PPP seria mantido e estava assegurado.

Ninguém mais do corpo pedagógico pode nos trazer a segurança que tínhamos antes, porque basicamente a escola tem outro dono e ele dialoga com a comunidade por meio das leis do mercado e não pela construção coletiva com a comunidade escolar.

Esse anúncio e o início dos “encontros com os pais” aconteceram nas vésperas do carnaval, quando houve, prevista no calendário escolar, uma semana de recesso. Aconteceram algumas reuniões e veio o recesso, com natural desmobilização.

Porém um crescente clima de insegurança se instalou e encontrou expressão em todos os meios de comunicação que a comunidade conseguiu criar. Foi um carnaval muito tenso, sem folia. Parece-nos que o processo foi encaminhado de forma descuidada, com os pais e mães, com as crianças e adolescentes, com os professores e com o corpo técnico administrativo.

3- A comunicação subsequente da direção da escola com os pais tem sido satisfatória? Vocês já sabem se o projeto pedagógico atual será mantido?

A comunicação da escola tem sido precária. O primeiro comunicado tinha pouquíssimas informações e, além disso, desprezava nossa capacidade reflexiva: enfatizam que o PPP será mantido e que fizeram uma parceria e associação, evitando sempre usar o vocabulário da venda, o que não corresponde à realidade. A realidade, como foi noticiada, é de que a Bahema adquirira 80% da EV, com o direito de compra dos outros 20% nos próximos três anos. Isso não é parceria, não é mudança da composição acionária. É venda.

Um exemplo disso é o e-mail por parte da escola para a comunidade de mães e pais no dia seguinte à venda, cuja análise cuidadosa revela:

  • Discurso ufanista: a escola defende ter feito uma parceria entre três escolas, com projetos pedagógicos similares, e da qual muito se orgulha. Chega a dizer que tem grande satisfação em anunciar a parceria, assim como orgulho e entusiasmo com a notícia.
  • Ocultação da venda: a escola defende que a Bahema foi a viabilizadora da parceria entre as três escolas e não a compradora dos 80% da EV.

– Abuso de clichês: a escola recorre a velhos clichês para contextualizar a chamada parceria, a saber, “transformações sociais e tecnológicas, cenário sócio político, enfrentamento de novos desafios”.

Ou seja, em nenhum momento, o sentimento de apreensão dos pais e mães, do corpo docente, do corpo técnico-administrativo e demais funcionários encontrou eco ou empatia nas comunicações enviadas pela escola e por seus novos gestores. Era natural que surgisse uma crise.

Para aumentar o clima de desconfiança, um pai fez inúmeras perguntas para a escola em seu canal oficial de comunicação, o “Blog da Escola da Vila”, que foram apagadas ou “substituídas” por uma mensagem onde se lia: : “A Escola da Vila responderá às perguntas”. Mas isso ainda não ocorreu. E as perguntas se acumulam.

4- Quais são as principais apreensões de vocês?

O eixo central de nossas apreensões é a quebra de confiança, que deixou a comunidade muito abalada e com muita insegurança quanto ao futuro. Esse contexto de insegurança gerou muito sobressalto na comunidade de pais e mães.

Como a confiança foi fortemente abalada, todos os gestos e ações posteriores inevitavelmente estão sendo vividos com muito descrédito pela comunidade. O que nos leva a demandar a abertura completa dos termos do contrato. O que se fala não mais acalma. Precisamos de atos e de compromissos. O clima é de desconfiança, generalizada. A Vila ainda é a Vila? A Vila agora é Bahema?

A maior de nossas apreensões é a reconstituição da relação de confiança na comunidade da Escola da Vila que garanta a defesa e conservação do patrimônio pedagógico cultural da escola, expresso em seu Projeto Político Pedagógico idealizado e construído ao longo de mais de 30 anos.

No entanto, temos evidências de que essa reconstituição não se dará simplesmente pelo estabelecimento de um diálogo com os novos gestores. Por quê? Porque todo o ativismo na área de educação do diretor financeiro do Grupo Bahema, como se pode apurar nos textos, vídeos e podcasts acessíveis na internet, está associado a pessoas e grupos que defendem o extermínio do pensamento crítico, enaltecem o ensino pela transferência do conteúdo, e desqualificam o construtivismo.

Igualmente estamos apreensivos de que as metas de transição estabelecidas no contrato de compra e venda atinjam duramente pontos caros ao PPP da Escola da Vila. Assim, defendemos fortemente o estabelecimento de uma política de transparência na qual o primeiro ato seja a abertura dos termos do contrato de compra e venda para a comunidade.

O corpo docente, falando em seu nome e em nome do corpo técnico-administrativo, emitiu uma carta às diretoras e novos gestores da Escola da Vila em que elencam “os valores estruturantes para esta comunidade e suas necessidades imediatas”. Essa carta foi objeto de um abaixo-assinado que já reúne mais de 1.100 assinaturas. As apreensões dos professores e funcionários são as apreensões dos pais e mães, porque entendemos que eles e elas são a concretização humana e cotidiana do PPP na EV. Assim, a precarização de suas condições de trabalho e qualquer medida ou iniciativa que fira a sua autonomia pedagógica são frontalmente contrárias aos interesses da comunidade da Vila.

Finalmente, assim como solicitado pelos professores em sua carta, estamos apreensivos de que o diálogo entre a EV e os pais e mães seja estabelecido em bases legítimas e tenha espaço, em termos físicos e de tempo cronológico, assegurado pela direção e pelos novos gestores da escola. Assim, está sendo constituído um grupo permanente de discussão de pais e mães e defendemos que qualquer decisão com relação às iniciativas desse grupo sejam discutidas e referendadas em encontros presenciais, a serem marcados com antecedência e amplamente divulgados, a acontecer na Escola. Por quê? Porque é esse espaço que nos une e nos reúne.

5- O que vocês acham do fato que, em sua comunicação com o mercado, o grupo Bahema tenha mencionado que o investimento subsequente na Escola da Vila estará “condicionado a um número de alunos matriculados e a um valor de mensalidade médio de 12 a 24 meses” assim como a “certas metas de transição”? Vocês foram informados sobre que metas e valores seriam esses?

Essas são as chamadas metas de transição estabelecidas no contrato de compra e venda e das quais tivemos conhecimento pela divulgação do Fato Relevante e sua repercussão na mídia de negócios. Nos termos do Fato Relevante:

(ii) Em relação à Escola da Vila, investimento no valor de R$ 34.483.805,48, a ser realizado da seguinte forma: (a) R$ 6.000.000,00 como earn-out condicionado a um número de alunos matriculados e a um valor médio de mensalidade em 12 e 24 meses; (b) R$ 4.086.890,48 trimestralmente a partir da assinatura como um bônus para as vendedoras caso certas metas de transição sejam cumpridas; e (c) R$ 24.396.915,00 em tranches, R$ 10.396.915,00 à vista, R$ 7.000.000,00 em 12 meses acrescidos do CDI do período e R$ 7.000.000,00 após 24 meses acrescidos do CDI do período. O contrato também prevê uma opção de compra exercível pela Companhia dos 20% remanescentes após 3 anos, e uma opção de venda dos mesmos 20% exercível pelas vendedoras.

Não fomos informados das metas de transição. Estão ainda obscuras, pautadas apenas pelas informações do fato relevante e da mídia, o que traz para muitos e muitas a percepção de que podemos estar sendo manipulados, como forma de garantia do cumprimento de alguma meta de transição.

O que podemos falar inicialmente sobre isso é que uma maior quantidade de alunos em sala de aula já afetaria por si só o PPP, uma vez que sua condicionante essencial é a busca do desenvolvimento do pensamento crítico, o que é impossibilitado em um local em que há um grande número de alunos em sala de aula. Dessa forma não conseguiriam debater seus pontos de vista com profundidade, receber orientação mais individualizado do professor, o que é fundamental para a construção do conhecimento.

Além disso, de um dia para o outro, pais e mães se debruçaram sobre esses termos e aqueles que não eram familiarizados com o vocabulário financeiro tiveram que aprender o que é “earn-out”, “opção de compra” ou mesmo “tranches”. Pais e mães que atuam ou têm experiência no mercado financeiro serviram como tradutores a outros pais e mães. Há pais e mães acompanhando a evolução do preço da ação do Grupo Bahema no mercado e buscando compreender seu movimento, que teve um expressivo aumento no dia seguinte ao anúncio da operação, mas desde então acumula quedas.

Preocupa-nos que essas metas impliquem aumento do número de estudantes por turma, aumento no número de classes sem expansão do corpo docente e técnico-administrativo, aumento da mensalidade, corte de atividades extras com número pequeno de estudantes e que atinjam a política de bolsas e o projeto de inclusão que são muito importantes historicamente na escola, todos intrinsecamente relacionadas ao PPP e aos valores defendidos pela EV.

No entanto, apesar de já termos solicitado em reuniões que alguns pais e mães tiveram com a direção e nos encontros com a direção e os novos gestores, até agora não fomos informados sobre essas metas de transição, nem sobre metas e valores específicos. Reforçamos que uma das nossas demandas é que abram os termos do contrato de compra e venda, solicitação ainda não respondida pela escola, e que estabeleceria uma comunicação transparente e em condições de igualdade entre os grupos de interesse da comunidade da EV.

6- Os pais tomaram alguma medida desde a divulgação da notícia? Quais?

As medidas tomadas por pais e mães desde de a divulgação da notícia envolvem:

  • A criação de um grupo em rede social para compartilhamento de informações e debates e discussões. Esse grupo conta hoje com 622 membros, sendo que a moderação é feita de forma colaborativa por 47 membros.
  • Várias reuniões presenciais de pais e mães vêm sendo feitas. Entendemos todas as reuniões como importantes para avançarmos na discussão.
  • Uma primeira reunião geral de pais e mães aconteceu na unidade Butantã no dia 22 de fevereiro, reunindo mais de 40 pessoas, e outra está marcada para dia 11 de março, na unidade Morumbi.
  • Um abaixo-assinado foi organizado em ação de apoio à carta de professores e funcionários, com mais de 1.100 assinaturas.
  • Uma enquete foi organizada para apreender o grau de satisfação com a venda da EV para a Bahema S.A. e os resultados mostram que 72,5% dos pais e mães que responderam estão insatisfeitos e 22,5% ainda não têm uma opinião.

Os pontos de convergência da primeira reunião presencial foram:

  • análise do significado da compra da Escola da Vila pela Bahema, especialmente no que se refere às implicações disto para o projeto pedagógico da escola.
  • consideração das reuniões de pais e mães na Escola da Vila como o o espaço legítimo de tomada de decisões coletivas a menos que este local deixe de ser disponível, caso em que providenciaremos outro.
  • Respeito às discussões feitas em outros meios que não sejam presenciais;
  • Prioridade à defesa do patrimônio pedagógico-cultural da Escola da Vila. Isto se aplica, também, à eventual criação de qualquer conselho de representantes (inclusive possível Comissão Jurídica).
  • Transparência absoluta e imediata dos contratos feitos entre a Bahema e a direção da Escola da Vila.
  • Convidar para a próxima reunião professores e demais funcionários da Escola da Vila.

Há uma pequena parcela da comunidade de mães e pais que entende ser necessária apenas a fiscalização da atuação da nova diretoria, por meio da criação de uma associação de pais, proposta que entendemos como convergente com os interesses da Bahema, que em sua carta de intenções afirma estar elaborando “uma proposta de participação efetiva dos pais e alunos por meio de um conselho consultivo”. Há até um pequeno conjunto que quer apenas esperar e “pagar para ver”.

No entanto, nesse momento em que um laço de confiança foi quebrado, não entendemos que os interesses da Bahema sejam os interesses da Comunidade da Escola da Vila. Assim, defendemos:

  • A organização das bases de um movimento de resistência com a intenção de manter o projeto e o patrimônio pedagógico e cultural da Escola da Vila;
  • O apoio incondicional às demandas apresentadas pelos funcionários e professores;
  • O estabelecimento de absoluta transparência em um momento em que a venda da Escola da Vila causou insegurança na comunidade, com abertura total do contrato de compra e venda e clareza nas metas de transição estabelecidas, bem como na análise de seu impacto;
  • A apresentação pela direção e pelos novos gestores da EV de um documento que detalhe e explicite o Projeto Político Pedagógico (PPP) da Escola da Vila, com o compromisso dos novos sócios de manutenção desse projeto;
  • A garantia de espaço, em termos de tempo e de espaço físico, para o estabelecimento de discussões e ações pela comunidade da EV que redunde no estabelecimento de um grupo permanente de discussão de pais e mães, que seja legítimo para tomada de qualquer ação ou decisão.
  • Link para a carta de funcionários e professores: http://bit.ly/2lTkTA5
Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Categorias
DestaquesEducação

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanGreekHebrewItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish