POR QUE TANTO ÓDIO?

Ajude-nos a entender a matriz de tanta energia negativa
ilustrações e pesquisas iconográficas Joana Brasileiro.

Nunca na história desse país, um ex-presidente foi tão perseguido –como se governar e retirar 40 milhões de pessoas da miséria absoluta, fosse um ato criminoso, imperdoável.

Nunca, na história desse país, um ex-presidente foi tão odiado e tratado como bandido.

Houve um presidente, Prudente de Moraes, que ordenou uma ação militar que matou 25 mil brasileiros no Arraial de Canudos, mas esse presidente era advogado, doutor. Jamais foi tão odiado.

Prudente de Moraes exigiu a decapitação de Antônio Conselheiro que já tinha sido enterrado. Então, exumaram o cadáver do líder de Canudos, decapitaram-no e voltaram a enterrar.

Teve um outro que prometeu no exterior pagar a dívida externa, criou um plano econômico chamado “funding Loan” (língua da metrópole, claro) e promoveu um arrocho insuportável aos brasileiros mais pobres. Mas esse, Campos Sales, também era advogado, representante da elite cafeeira e, claro, nunca foi odiado.

Já Hermes da Fonseca, perseguiu os sertanejos do Padre “santo” Cícero Romão Batista, criou uma estrada de ferro que ligava o nada ao lugar nenhum, à custa das vidas de milhares de trabalhadores. Hermes da Fonseca ainda reprimiu a revolta da Chibata, liderada por João Cândido (“o Almirante Negro”), realizada por marinheiros que lutavam pelo fim dos castigos físicos e chibatadas nos barcos da Marinha do Brasil. Mas era marechal, e ninguém odeia um militar no Brasil.

Ilustração de Joana Brasileiro, sob imagem do Padre Cícero, cartão postal em homenagem ao Marechal Hermes da Fonseca, e imagem dos marinheiros da Revolta da Chibata, capitaneados por João Cândito o Almirante Negro.

Falando em militares, eles tomaram o poder em 1964 e emplacaram cinco presidentes-ditadores militares até 1985, quando assassinaram sob tortura centenas de opositores ao regime. Mas eles nunca foram odiados.

No nosso país, teve um governador da elite paulista cujo slogan era “esse rouba mas faz”, um ministro da ditadura militar famoso no exterior por contrabandear pedras preciosas nativas para lá, um outro governador da elite paulista cuja fortuna em seu nome ele apenas dizia não lhe pertencer, um presidente eleito pela mídia que pagava até gastos domésticos com “sobras de campanha”. Mas nunca se percebeu a existência da corrupção como agora.

E nunca se odiou tanto um ex-presidente.

Por que tanto ódio contra alguém que mesmo depois de dois mandatos não tem apartamento em Paris, iate, ou qualquer ato corrupto comprovado?

Será que é por que é nordestino? Por que não é doutor? Ou por que é tão parecido com aqueles que o odeiam e se sentem covardes diante de sua coragem?

Nunca na história desse país, alguém foi tão invejado e odiado assim. Você entende por quê? Mande pra gente a sua colaboração. Só aceitaremos colaborações gentis e educadas, porque, de ódio já estamos fartos.

Mande para: jornalistaslivres@gmail.com
Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Categorias
DestaquesGeralHistóriaMídiaPolíticaVerdadeviolência

Mídia democrática, plural, em rede, pela diversidade e defesa implacável dos direitos humanos.
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Chinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Relacionado com

  • Uma nova Canudos

    O Brasil profundo, muitas vezes desconhecido da enculturação e do projeto elitista da escolarização alienante e desonesta, nos priva do conhecimento crítico e nos mantém numa situação de assimilação...
  • Empatia: as guerreiras da história refletidas no olhar da juventude

    Luz, contraste, maquiagem, talco e uma boa dose de paixão: estes são os ingredientes do ensaio que, em duas edições, contou com a participação de mais de 100 mulheres,...
  • Dona Marisa é inocente!

    Em decorrência do falecimento de Dona Marisa, na sexta, 3 de fevereiro, seus advogados, que atendem também ao ex-presidente Lula, protocolaram junto ao juiz Sérgio Moro um pedido de absolvição...
  • A morte, os moraes e os moros

    Quando alguns se colocam no papel de justiceiros contra inimigos escolhidos a dedo e insistem em permanecer nesse pedestal de barro é evidente que, enquanto o fazem, consideram que...