Precisamos falar do assédio

Documentário que estreia hoje no Festival de Brasília revela os segredos de mulheres que sofreram abuso. Pesquisa demonstra que um terço dos brasileiros culpa a vítima pelo estupro

Era uma van que virou estúdio de cinema. Ela guardava segredos profundos. Ao fechar a porta, o silêncio, a escuridão e uma câmera recebiam mulheres que sofreram assédio. Para muitas delas, era a primeira chance de falar sobre o trauma que envolve a violência de quem passou por esse abuso. Casos que variavam entre uma cantada de mal gosto até o estupro.

A caixa escura da van recebeu os testemunhos de 140 mulheres, de 14 a 85 anos. Vinte e seis desses depoimentos compõe o documentário “Precisamos falar do assédio”, da diretora Paula Sacchetta, com produção da Mira Filmes. A película estreia na noite de hoje, no Festival de Brasília, às 19h.

Em uma sociedade que naturaliza o assédio, a dureza das declarações pode ser notada pelo olhar de medo, pela respiração aflita e pelo desabafo de quem percebe – finalmente – que não está sozinha. “Uma começa a falar e encoraja a outra a falar”, conta Paula, que caminhou com a van por nove locais, em São Paulo e no Rio de Janeiro, oferecendo uma rara escuta. “Por um lado, havia o acolhimento e por outro lado, o grito, a denúncia. Vamos começar a falar, juntas, para tentar mudar alguma coisa.”

paula-sacchetta-diretora-01

A diretora, Paula Sacchetta | Foto: divulgação

Há, por exemplo, o caso de uma jovem mulher que, usando uma máscara azul simbolizando a tristeza, contou ter sofrido abuso aos 13 anos. Ela nunca teve coragem de contar a ninguém a violência que sofreu, nem para a psicóloga, nem para a psiquiatra, mesmo muitos anos depois. “Elas tratam algo que elas nem sabem o que é”, desabafa. “Enquanto eu não tratar isso em mim, não tem remédio que possa ajudar. Eu não consigo”, ela diz. Percebe-se também, ao longo da exibição, que na maioria dos casos os abusos partem de pessoas conhecidas e que geralmente exercem uma espécie de poder sobre a mulher, como professores, chefes, superiores hierárquicos ou médicos.

O filme é apenas uma parte do projeto “Precisamos falar do assédio”. A ideia de gravar os depoimentos veio da percepção de que muitas mulheres sofreram assédio e se calaram, sem saber que é tão comum. Quando as redes sociais exibiram as hashtags #meuprimeiroassédio e #meuamigosecreto, durante o que se chamou de Primavera das Mulheres, o que ficou explícito foi o fato de que o assédio – e a violência sexual – é muito mais comum do que pensamos.

Em parceria com a Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres de São Paulo, quem participava da gravação também podia ser atendida por uma funcionária da secretaria, que encaminhava os diferentes casos para instâncias de apoio jurídico e psicológico. No sitewww.precisamosfalardoassedio.com é possível assistir a todos os depoimentos e enviar outros testemunhos. A plataforma também oferece caminhos para denúncia e acolhimento, com endereços de todas as Delegacias de Defesa da Mulher, cetros de referência para a violência doméstica, além dos dispositivos legais que protegem as pessoas desse tipo de agressão.

A culpa é da vítima

O documentário é extremamente atual e relevante diante de uma sociedade que se demonstra machista, misógina e intolerante. Nesta quarta-feira (21), o Datafolha divulgou uma pesquisa sobre violência sexual contra mulheres. Os números revelam que um terço dos brasileiros acredita que a culpa pelo estupro é da própria mulher. Os dados, encomendados pelo Fórum de Segurança Pública, mostram que o problema é muito maior do que se pode imaginar: a cada 11 minutos, uma mulher é estuprada no Brasil. Estima-se que apenas 10% dos casos sejam notificados, o que sugere que anualmente aconteçam 500 mil estupros.

O quadro se torna mais assombroso quando se constata que 70% das vítimas desse tipo de agressão são crianças e adolescentes de acordo com dados do SUS (Sistema Único de Saúde). O estudo aponta ainda que 85% das mulheres têm medo de ser estuprada.

Por isso é tão importante falar sobre o assédio. “Toda mulher, sem exceção, tem uma história para contar”, lembra Paula. “Isso é assustador.” No Brasil, a cultura do estupro está muito viva.

Serviço
Precisamos falar do assédio

21/09/2016 – 19h – première nacional 49º festival de brasília do cinema brasileiro, cine brasília (brasília)
22/09/2016 – 17h cine cultura liberty mall (brasília)
27/09/2016 – 19h30 – pré-estreia circuito spcine olido (são paulo)
27/09/2016 – 20h – pré-estreia caixa belas artes (são paulo)
29/09/2016 – estreia caixa belas artes (são paulo)
30/09/2016 – 20h – exibição ao ar livre mirante 9 de julho (são paulo)
05/10/2016 – 19h – exibição centro de formação cultural de cidade tiradentes (são paulo)
05/10/2016 – 19h30 – exibição com debate cine arte uff (niterói)

Circuito spcine: aricanduva (são paulo) circuito spcine butantã (são paulo) circuito spcine caminho do mar (são paulo) circuito spcine feitiço da vila (são paulo) circuito spcine jaçanã (são paulo) circuito spcine meninos (são paulo) circuito spcine paz (são paulo) circuito spcine perus (são paulo) circuito spcine quinta do sol (são paulo) circuito spcine três lagos (são paulo) circuito spcine vila atlântica (são paulo)

af-pfa-cartaz-web

*Texto publicado também pela Revista Brasileiros

Categorias
DestaquesGeral
Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

AfrikaansArabicChinese (Simplified)EnglishFrenchGermanItalianJapaneseKoreanPortugueseRussianSpanish